Boletim Letras 360 #55




Este 8 de março tem algo a mais que os outros dias 8 de março. E por isso a página do Letras no Facebook vestiu-se toda para assinalar a passagem. Há 100 anos um sujeito chamado Fernando Pessoa, tomado por um golpe de criatividade tornou pública a vida de outras pessoas que com ele conviveram, discutiram, produziram. Fenômeno a que deu o nome de heteronímia e até hoje feito inédito entre as criações literárias. Há diálogo entre esses nomes, mas a visão deles se distancia tanto que cada um é cada um: Álvaro de Campos, Ricardo Reis, Alberto Caeiro e as criações se multiplicaram. Não heterônimos, mas personagens em criação já somam números além da casa de uma centena. É o próprio Fernando Pessoa quem reconhece a data:

Num dia em que finalmente desistira – foi em 8 de Março de 1914 – acerquei-me de uma cómoda alta, e, tomando um papel, comecei a escrever, de pé, como escrevo sempre que posso. E escrevi trinta e tantos poemas a fio, numa espécie de êxtase cuja natureza não conseguirei definir. Foi o dia triunfal da minha vida, e nunca poderei ter outro assim. Abri com um título, O Guardador de Rebanhos. E o que se seguiu foi o aparecimento de alguém em mim, a quem dei desde logo o nome de Alberto Caeiro. [...] Aparecido Alberto Caeiro, tratei logo de lhe descobrir – instintiva e subconscientemente – uns discípulos. Arranquei do seu falso paganismo o Ricardo Reis latente, descobri-lhe o nome, e ajustei-o a si mesmo, porque nesta altura já o via. E, de repente, e em derivação oposta à de Ricardo Reis, surgiu-me impetuosamente um novo indivíduo. Num acto, e à máquina de escrever, sem interrupção nem emenda, surgiu a Ode Triunfal de Álvaro Campos – a Ode com esse nome e o homem com o nome que tem.

 O Dia Triunfal precisa ser celebrado!   


Segunda-feira, 03/03

>>> Estados Unidos: Rara edição de Peter Pan com ilustrações de Edmund Blampied

Em 1940, veio a lume uma edição de Peter Pan com ilustrações de Edmund Blampied – considerado um dos artistas mais eminentes da ilustração estadunidense. Blampied começou a tornar público seus desenhos ainda aos 16 anos, quando nem ter recebido qualquer instrução em artes plásticas. Na década de 1920 é que suas obras ganham um grande destaque até ser convidado para produzir trabalhos para o livro de J. M. Barrie. No nosso Tumblr reunimos parte dessas ilustrações.

>>> Estados Unidos: Qual o seu sinal de pontuação favorito?

A revista Inteligent Life, pede a seus leitores que votem por seu signo de pontuação favorito. E convidou para isto que várias personalidades do mundo dos livros escrevessem uma campanha em defesa da pontuação. Para Julian Barnes, o ganhador do Booker 2011, aproveita e se queixa das redes sociais pelo desprestígio causado ao sinal de exclamação, seu predileto; a agente literária Norah Perkins se maravilha ante a habilidade de Emily Dickinson para dizer o inexpressável entre travessões; a romancista Alí Simth sai em defesa do &, que tem parecenças, em simultâneo, com um gato e um ser humano e sempre promete dizer mais; a também romancista Claire Messud critica Kurt Vonnegut pelo desprezo ao ponto e à vírgula...

>>> Estados Unidos: Edições de Mein Kampf, de Hitler, em leilão

Dois exemplares do livro Minha Luta, de Adolf Hitler, foram leiloados em Los Angeles por quase US$ 65 mil.  As obras, que contêm os princípios da ideologia nazista, foram dedicadas por Hitler a Josef Bauer, um dos primeiros membros do partido nazista da Alemanha e próximo ao futuro Führer. As previsões estimavam que os exemplares seriam vendidos a US$ 25 mil, mas eles finalmente foram comercializados a US$ 64.850. Onze pessoas participaram do leilão. Nas dedicatórias datadas em 1925 e 1926, Hitler deseja um feliz Natal a Bauer, um dos autores do golpe de Estado frustrado de Munique em 1923, intentona pela qual Hitler foi detido durante vários meses, nos quais escreveu Mein Kampf (1924). O livro não é editado atualmente na Alemanha, mas pode ser encontrado com facilidade na internet traduzido a vários idiomas.


Terça-feira, 04/03

>>> Brasil: Correspondência de Hilda Hilst será publicada

Pelo menos para das mais de 500 cartas trocadas dos anos 1960 e 1990 entre a escritora e o amigo poeta José Luis Mora Fuentes. Várias delas possuem ilustrações. O material faz parte dos planos da Globo Livros que vem organizando materiais dispersos de Hilda para edições do tipo. Recentemente, por exemplo, foi editada uma coletânea de entrevistas intercalada por desenhos feitos pela própria Hilda. 

>>> Brasil: Livro que serviu para roteiro do filme Doze anos de escravidão já está nas livrarias

Considerada a melhor narrativa já escrita sobre um dos períodos mais nebulosos da história americana, Doze anos de escravidão narra a história real de Solomon Northup, um negro livre que, atraído por uma proposta de emprego, abandona a segurança do Norte e acaba sendo sequestrado e vendido como escravo.  Depois de liberto, Northup publicou o relato contundente de sua história, que se tornou um best-seller imediato. Hoje, 160 anos após a primeira edição, "Doze anos de escravidão" é reconhecido pela crítica como um título de caráter especial pelo fato de o autor ter sido um homem culto que viveu duas vidas opostas, primeiro como cidadão livre e depois como escravo. A edição é da Companhia das Letras/Penguin


Quarta-feira, 05/03

>>> Inglaterra: Uma animação a partir de um poema de Charles Bukowski 

O ilustrador Jonathan Hodgson fez uma animação baseada no poema "The Man with Beautifull Eyes", de Charles Bukowski. O curta tem pouco menos de 6 min. e foi produzido para a rede pública de TV britânica Channel Four e ganhou vários prêmios em festivais internacionais, incluindo o Bafta, o mais importante da Grã-Bretanha.  O vídeo foi legendado pelo pessoal do blog Velho Bukowski e reproduzimos no Canal do Letras no Youtube.

>>> Itália: Raridade: pesquisadores descobriram uma das obras escritas portuguesas mais valiosas que se conhecem

A obra Livro da Montaria, de autoria de D. João I, que se julgava perdida, foi encontrada no Arquivo Histórico Provincial de Lugo, na Galiza, por duas pesquisadoras que afirmam que a obra está "em bom estado de conservação". Escrito entre 1415 e 1433, o livro tem 70 capítulos divididos por três volumes e é, segundo as mesmas, "uma das obras mais notáveis do século XV". Do Livro de Montaria só era conhecido um pequeno fragmento, que tinha sido alvo de estudo por parte do professor Ramón Lorenzo, da Universidade de Santiago de Compostela.


Quinta-feira, 06/03

>>> Brasil: Reedição da obra de Aldous Huxley

Aldous Huxley é um dos grandes nomes da literatura em língua inglesa do século XX, período que soube analisar como ninguém. Conhecido mundialmente pelo romance Admirável mundo novo, Huxley também é famoso por seu engajamento pacifista, cuja defesa permeia toda sua produção. A Globo Livros reedita a obra de Aldous: já saíram com nova roupagem títulos como Contraponto, Contos escolhidos, o próprio Admirável mundo novo. E ainda este mês chega Sem olhos em Gaza.

>>> Brasil: Livro reúne a poesia de Manuel Bandeira e a fotografia de Benoit Fournier

A cidade por Bandeira (Batel), reúne a poesia de Manuel Bandeira, a fotografia de Benoit Fournier e o design de Gueko Hiller. De gerações e origens distintas, os três guardam em comum o fato de terem deixado suas cidades – Recife, Carpentras (França) e São Paulo, respectivamente – para viver no Rio. O livro pretende apresentar do cotidiano ordinário algo extraordinário, na visão de pessoas de outros lugares que escolheram o Rio para viver. O livro chega na ocasião de celebração dos 499 anos da cidade carioca.


Sexta-feira, 07/03

>>> Canadá: Vem a lume primeiro texto de Alice Munro

Publicado em abril de 1950 na revista da Universidade de Western Ontario, o título ainda inédito em francês e também o primeiro publicado como Alice Munro, a vencedora do Prêmio Nobel de Literatura em 2013, ganha reedição na revista Feuilleton.  Na época, Munro era estudante, tinha vinte anos quando começou a escrever a história de um professor insatisfeito com coisas perturbadoras, algemas prisioneiro de outro mundo.  Um trecho de "Les dimensions d'une ombre" pode ser lido aqui.

>>> Portugal/Brasil: Lá e cá, Fernando Pessoa

1. No centenário da Ode Triunfal, de Álvaro de Campos, o projeto Estranhar Pessoa realiza um colóquio internacional sobre a vida e obra de Fernando Pessoa. O colóquio, que vai decorrer até 08 de março, propõe-se estabelecer um "amplo debate em torno da vida e obra de Pessoa", e "a perspectiva crítica é a de uma revisão do Estado da Arte nos diversos campos dos Estudos Pessoanos" reúne 50 especialistas em diversas áreas de estudos pessoanos até 08 de março. 2. Já no Brasil, Natal sedia o Colóquio Internacional de Estudos Pessoanos. Isso entre os dias 13 e 14 de março na Universidade Federal do Rio Grande do Norte com presença de nomes como Jerónimo Pizarro. 3. Voltando a Portugal, a Imprensa Nacional – Casa da Moeda lançou uma nova moeda da série Portugal Universal, dedicada a Fernando pessoa.

>>> Brasil: Carnaval, de Manuel Bandeira ganha reedição

Dentro do projeto de reorganização da obra do poeta conduzido pela Editora Global. Carnaval, além de ser um dos livros de poemas mais clássicos sobre a temática da Folia de Momo, é também um marco para o Modernismo brasileiro. Publicado pela primeira vez em 1919, é aí que se encontra clássicos como o poema "Os sapos" - texto que ironiza o parnasianismo e foi recitado durante a Semana de Arte Moderna de 1922. A versão atual teve coordenação de André Seffrin, com apresentação do poeta e crítico Affonso Romano de Sant’Anna. O volume ainda conta com acervo de imagens do poeta e reprodução da capa da primeira edição de Carnaval.


..........................
Sigam o Letras no FacebookTwitterTumblrGoogle+Instagram


Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Alguns dos melhores começos de romances

Uma entrevista inédita com Liev Tolstói

Água viva, de Clarice Lispector

Potnia, de Leonardo Chioda

Avenida Niévski, de Nikolai Gógol

A lista de leituras de Liev Tolstói

De Mário Peixoto, é preciso virar a página

A ignorância, de Milan Kundera

O romance perdido de Sylvia Plath

Boletim Letras 360º #236