Maurice Sendak, o ilustrador de Liev Tolstói



O trabalho que parece ter dado destaque à ilustração de Maurice Sendak foi Onde vivem os monstros. Há, evidente, uma série de fatores que contribuíram para isto: um deles, a adaptação feita para o cinema em 2009 por Spike Jonze e a declaração famosa de nomes como o do presidente dos Estados Unidos, Barack Obama, de que este é um de seus livros preferidos (veja aqui). Basta dizer, que apenas naquele país o livro alcançou a marca de 18 milhões de exemplares vendidos. No Brasil, Onde vivem os monstros foi editado pela Cosac Naify e os 10 mil exemplares também já voaram.

Mas, há outro título ilustrado por Sendak e quase desconhecido do público brasileiro; ao menos, com o título que recebeu em 1963. Trata-se de Nikolenka’s childhood (A infância de Nikolenka, numa tradução direta), de Liev Tolstói e é já uma raridade para colecionadores.

O convite a Sendak foi enviado em 1961 pela lendária editora Ursula Norstrom. Veio em forma de uma extensa carta de motivação criativa já que sondagens feitas antes pelos editores atestavam que o ilustrador tinha sérias dúvidas sobre trabalhar numa adaptação do texto de um escritor tão conceituado como Tolstói. Na época, o seu Best-Seller ainda não havia sido publicado e Sendak se considerava um tanto inexperiente com seu trabalho.

O texto de Tolstói data de 1852. Trata-se da obra de ficção mais autobiográfica do escritor. É o primeiro título redigido pelo então jovem militar de vinte três anos e não veio assinado pelo seu nome próprio. No Brasil a edição mais recente do texto aparece traduzida apenas com o título de “Infância” e integra um só livro – Infância, Adolescência e Juventude, que por aqui foi publicado pela L&PM Editores.

Narrado em primeira pessoa, o texto é uma crônica intensa e detalhada dos primeiros anos de vida de Nikolai Irtêniev, um garoto nascido na nobreza rural da Rússia tsarista. O texto marca-se pelo sentimento de perda que está no centro da vida desta criança, tal como marcou o próprio Tolstói que perdeu a mãe logo cedo, quando tinha só dois anos; o pai, quando tinha oito.

Para Rosamund Bartlett, em Tolstói, a biografia de tal em Infância “é enganosamente simples. Para que o livro funcionasse, Tolstói tinha de lançar mão de uma voz narrativa convincente, portanto um dos primeiros problemas que teve de contornar foi decidir se seu narrador seria um adulto, com o risco de que sua história ficasse parecida com um livro de memórias, ou fazer com que o próprio Nikolenka contasse a história de sua vida, o que implicava dilemas de outra ordem”.

A carta de Nordtrom, vê-se, teve seu efeito. Sendak aceitou o convite e dois anos depois terminou o projeto integralmente produzido com a marca estilística que o faria conhecido pelo traço criativo de Onde vivem os monstros. A insegurança do jovem Sendak chega a confundir-se com a que o jovem Tolstói engendra sua personagem.

Abaixo deixamos um catálogo que preparamos com as ilustrações de Sendak para Nikolenka’s childhood.





Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Em teu ventre, de José Luís Peixoto

16 + 2 romances de formação que devemos ler

Milena Jesenská, muito além de namoradinha de Franz Kafka

Boletim Letras 360º #221

Cem anos de solidão cumpriu a profecia de Melquíades

Um romance com treze títulos

J. R. R. Tolkien, o mito desconstruído

O homem sem doença, de Arnon Grunberg

George Orwell e a podridão dos livros

Juan Goytisolo em seu amargo final