Quatro documentos inéditos sobre Miguel de Cervantes e uma nova mulher na vida do escritor



O trabalho quase detetivesco de um arquivista de La Puebla de Cazalla, município da região sevilhana, lança luz sobre aspectos desconhecidos da biografia de Miguel de Cervantes. A descoberta de quatro documentos inéditos em arquivos diferentes apresenta novos dados sobre seu labor como coletor da Fazenda Real e aponta a possibilidade de que houvesse outra mulher na vida do escritor.

O arquivista em questão, José Cabello, encontrou há três anos por acaso com um manuscrito de 5 de março de 1593 no qual Cervantes foi empossado neste Ajuntamento como comissário de suprimentos das Forças Armadas Real para o encargo de provedor da frota para as Índias comandada por Cristóbal de Barros. O trabalho do romancista era levantar trigo e cevada para abastecer a frota de Felipe II. “O documento é importante porque acredita que Cervantes esteve em La Puebla, algo que se desconhecia até o presente, e o relaciona pela primeira vez com Cristóbal de Barros, quem foi o armador que construiu os navios que participaram na batalha de Lepanto (a mesma em que lutou Cervantes), além de ser fornecedor para os galões da Armada e da frota de rota para as Índias”, comentou o pesquisador, quem descobriu o primeiro manuscrito entre os mil documentos de entre 1543 e 1894 de La Puebla depositados no Arquivo do Distrito Notarial de Morón de La Frontera.  

“Estes papéis se conservam graças a uma ordem ainda no século XIX que obrigou ao Ajuntamento de La Puebla entregar todos os documentos notáveis em Morón. Os arquivos de La Puebla foram queimados durante a Guerra Civil. Em 2002, para comemorar o quinto centenário de outorga da carta a La Puebla de Cazalla pelo conde de Ureña, foi passado os arquivos para microfilme e eu comecei a lê-los e segui lendo e classificando-os durante os últimos anos”, explicou Cabello, quem a partir deste papel começou a desenhar um fio de investigação que o levou a localizar outros três textos relacionados com o pai do romance moderno, quem passou 10 anos na província de Sevilha, de 1587 a 1597.

A relação do romancista com Cristóbal de Barros conduz Cabello até o Arquivo Geral das Índias, onde encontrou um mandado de Barros datado de novembro de 1593 no qual ordenava o pagamento de um salário de 19.200 maravedíes, “uma quantidade bastante digna para a época”, apontou o pesquisador, por 48 dias de serviço como “comissário” da Fazenda Real em vários municípios da província de Sevilha. “Também no Arquivo das Índias localizei outro documento que esclarece que Cervantes realizou este serviço entre o dia 21 de fevereiro e o dia 28 de abril de 1593. Mas, em minha opinião, a descoberta mais interessantes é a do Arquivo de Protocolos Notariais de Sevilha: um poder que Cervantes outorga a Magdalena Enríquez para cobrar seu salário. Esta mulher nunca havia aparecido relacionada ao escritor. O documento é o único dos quatro que está assinado por ele”, afirma o arquivista, que escreveu dois artigos a sair em breve, em que acompanha o trabalho de pesquisa nestes anos.  

Para o filólogo e acadêmico Francisco Rico, um dos grandes especialistas sobre a obra de Cervantes, a descoberta “é interessantes, mas seguimos sem saber nada sobre o personagem, sobre sua intimidade, seu pensamento ou como se relacionava com as mulheres de sua família”. “A aparição de Magdalena Enríquez pode ser uma pista interessante, mas eu não criaria muitas ilusões porque, ao tratar-se de uma artesã que trabalhava para a frota das Índias, a relação poderia ser puramente comercial”, analisou o professor. Segundo Rico, existem bastante testemunhos parecidos de seu trabalho como coletor e sua assinatura aparece em muitos deles, “um número considerável em se tratando de um autor do Século de Ouro”, mas não há rastro de documentos que permitam conhecer seu caráter. “Seu comportamento temos de deduzi-lo a partir de suas obras”, sublinha Rico.

Tudo isso abre as portas para novas investigações que poderiam lançar mais luzes à biografia do autor de Dom Quixote. Até o momento apenas se sabia da existência de três mulheres importantes em sua vida: Ana Franca de Rojas, com quem teve uma filha chamada Isabel de Saavedra; Catalina de Salazar y Palacios, com quem se casou em 1584, e Jerónima Alarcón, uma sevilhana de quem Cervantes figura como fiador e pagador de umas casas em 1589. “De Magdalena Enríquez apenas sabemos que era artesã e natural de Sevilha. Devia ser viúva, porque de outra forma não poderiam atribuir um poder em seu nome e tinha algum tipo de relação com Cervantes quando ele a permitiu cobrar seu salário, já que tinha que partir para nova encomenda e não poderia esperar ir ao banco.”

Por falar em dinheiro, essa descoberta põe em relevo que o romancista foi consideravelmente bem remunerado naquele período de sua vida, assim observa o estudioso na obra de Cervantes José Montero Reguera. Ele sublinha que “durante neste tempo o autor de Dom Quixote recebeu uma retribuição substanciosa que desmente, em parte, a interpretação romântica do século XIX que atribuía a Cervantes uma existência sempre desvalida. E sobreviveu até a idade avançada, quase longeva para sua época, em três cidades mais ricas da Espanha: Valladolid, Madri e Sevilha.”


“Da estadia sevillana de Cervantes, que durou 15 anos a partir de 1587, se conhecem dados indiretos”, diz Reguera. “Inclusive um estudioso, José M. Asensio, no final do século XIX chegou a dizer que falava com giros coloquiais andaluzes, algo altamente improvável”. O que se sabe com certeza documental provada “é que Cervantes foi em Sevilha provedor da frota enviada por Felipe II para a invasão da Inglaterra”. Também se conhece que “foi na capital andaluza onde escreveu ‘Soneto à morte de Fernando de Herrera’ e outro escrito sobre o túmulo funerário erigido na cidade de Guadalquivir à morte de Felipe II”.

“O mais relevante é que esta descoberta documental abre novas e possíveis vias de pesquisa que assinalam novos caminhos onde buscar dados desconhecidos de sua biografia”, conclui o pesquisador. Também a descoberta dá fé de um vínculo estreito com Magdalena Enríquez nexo até hoje ignorado. Se sabe que o sobrenome procede do noroeste da Península Ibérica e que contou com numerosas ramificações: era o mesmo que levaram alguns dos principais almirantes medievais de Castilla.

Fato é que Cervantes chegou a Sevilha quando a cidade era a capital econômica de um império e uma das cidades mais importantes e povoadas da Europa, além de ser porto para as Índias e ainda vivendo numa profissão razoável, entre habitantes que viviam em penosas condições, como o próprio escritor descreve em alguns de seus textos. Da glória ao fundo do poço. Foi em Sevilha que cumpriu condenação por irregulares em suas tarefas de arrecadação financeira. Ou seja, Cervantes esteve metido, muito provavelmente, em corrupção. 

* texto escrito a partir de "Hallados em Sevilla cuatro textos inéditos sobre Cervantes", El País




Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Alguns dos melhores começos de romances

Uma entrevista inédita com Liev Tolstói

Água viva, de Clarice Lispector

Potnia, de Leonardo Chioda

Avenida Niévski, de Nikolai Gógol

A lista de leituras de Liev Tolstói

De Mário Peixoto, é preciso virar a página

A ignorância, de Milan Kundera

O romance perdido de Sylvia Plath

Boletim Letras 360º #236