Boletim Letras 360º #106

No Boletim da semana anterior dissemos todas as movimentações que faríamos por ocasião do Dia Nacional da Poesia. E hoje só gostaríamos de dizer que tudo valeu a pena. Os leitores estiveram atentos e fizemos um dia intenso com muita poesia. Enquanto lá fora muita gente estava em polvorosa distribuindo ódio, nós estávamos revolucionando corações pela leitura de poesia. O resultado foi este álbum lindíssimo com 24 poemas de 24 poetas nacionais e estrangeiros enviados pelos 24 primeiros leitores e publicado cada um de hora em hora numa verdadeira maratona. Aguardamos a visita para levar adiante esses poemas. E, depois de tudo, vamos ler o que foi notícia durante a semana no blog. 

Um poema inédito de Machado de Assis. Saiba sobre essa descoberta, assim, ao acaso na web.


Segunda-feira, 16/03

>>> Brasil: Descoberto poema inédito de Machado de Assis

O achado é de Wilton Marques, professor da Universidade Federal de São Carlos (UFSCar) que estuda a influência dos românticos na formação de Machado. A descoberta veio ao acaso enquanto acessava a Hemeroteca Digital Brasileira para ler no original os textos coligidos da primeira fase do escritor. Ao procurar "Machado de Assis" no intervalo entre 1850 a 1859, achou o poema. O texto sequer foi incluído em títulos recentes com a produção poética de Machado - Toda poesia (Record, org. Cláudio Murilo Leal) e A poesia completa (Edusp/Nankin, org. Rutzkaya Queiroz dos Reis) - e pode ser incluído na nova edição preparada Nova Aguilar. A Biblioteca Nacional pôs no ar sua Hemeroteca Digital em 2012. O poema é intitulado “O Grito do Ipiranga”. Já em 2003, foi descoberto inéditos em livro localizados na Biblioteca do Congresso de Washington e incluídos nos Contos Completos de Machado de Assis (UFJF/Imesp/ABL). Com a descoberta, sabemos agora que aos 17, e não aos 19, Machado teve espaço num grande jornal.

>>> Brasil: Da série "notícias que a mídia não divulga": Doação de livros ao invés de trotes.

Essa é a proposta da ação solidária e de integração lançada pela Universidade de Santa Cruz do Sul (Unisc), no Vale do Rio Pardo. Os livros arrecadados serão repassados à Cooperativa de Catadores e Recicladores do município, a Coomcat, para auxiliá-la na criação de uma biblioteca pública. Considerada uma iniciativa inédita no Estado, o “trote” foi organizado a partir da união de representantes dos cursos, tanto novos estudantes quanto veteranos. As equipes terão até o dia 23 de março para recolher as obras. Cada grupo vencedor, tanto por quantidade absoluta quanto por média de doações, receberá de premiação dois tablets para serem sorteados entre os estudantes.

Terça-feira, 17/03

>>> Brasil: Reedição da obra de Maura Lopes Cançado

A escritora é de Minas Gerais. Morreu em 1993. E caiu no esquecimento. Mas, um bom anúncio: a editora Autêntica vai recuperar a obra de Maura. Há anos fora de catálogo, Hospício é Deus (1965) e O sofredor do ver (1968) terão edição até o final do ano. Os livros serão lançados separadamente e numa caixa, com perfil biográfico, textos sobre a autora e cadernos de fotos.

>>> Brasil: Exposição recupera visão de Graciliano Ramos sobre o Rio de Janeiro

O escritor alagoano viveu parte de sua vida no Rio, cidade onde produziu muitas de suas obras. Em homenagem ao aniversário de fundação da cidade, o Arte Sesc, localizado no Flamengo, reabre com exposição inédita que mostra o Rio de Janeiro sobre o olhar desse autor. "O Cronista Graciliano no Rio de Janeiro", fica em cartaz, de terça a domingo, até dia 19 de abril com visitação gratuita. A abertura do evento foi marcada pelo lançamento do livro Conversas, que reúne 45 textos de entrevistas, enquetes e depoimentos do autor sob a organização de Ieda Lebensztayn e Thiago Mio Salla. A mostra se utiliza de diversas linguagens artísticas como literatura, audiovisual e artes plásticas, e convida o espectador a uma imersão à vida de Graciliano no Rio, que ocorre em dois momentos: entre 1914 e 1915, período em que Graciliano chega à cidade, então capital do país, e trabalha como revisor no jornal Correio da Manhã, escrevendo o enredo do livro Angústia. E entre 1936 e 1953, quando se consagra com as obras Memórias do cárcere – escrita enquanto esteve detido no presídio da Ilha Grande -, Vidas secas e Infância.

Quarta-feira, 18/03

>>> Portugal: Obra fundamental nas referências dos estudos sobre a obra de José Saramago ganha reedição

Em 1997 o professor Carlos Reis viajou para Lanzarote e durante três dias, em quatro sessões, conversou com o amigo José Saramago sobre vários assuntos relativos ao ofício da escrita. O resultado desse longo e íntimo diálogo foi publicado em 1998, pela Editorial Caminho: Diálogos com José Saramago. A obra logo tornada indispensável aos primeiros estudiosos da literatura do escritor português já havia algum tempo estava fora de catálogo. Volta agora com chancela Porto Editora - a mesma que vem cuidando da reedição da obra do Prêmio Nobel da Literatura. Na nova edição inclui, além da entrevista, um texto de introdução inédito e o discurso que proferiu na Universidade de Coimbra em 2013 por ocasião da apresentação do ensaio Da estátua à pedra, de José Saramago.

>>> Brasil: Fãs da literatura de terror tem ao alcance a obra de H. P. Lovecraft

Desde 2014, a editora Iluminuras trabalha com a reedição de muitos títulos do escritor estadunidense há muito não publicados no Brasil. Só esse ano, as livrarias já receberam as edições de A cor que caiu do céu, A maldição de Sarnath, Dagon, À procura de Kadath, e Nas montanhas da loucura.

Quinta-feira, 19/03

>>> Espanha: Novas peças sobre o andamento das descobertas dos restos mortais de Miguel de Cervantes

Tema que vimos acompanhando com certo interesse, o projeto de descoberta do autor de "Dom Quixote" deverá ganhar uma nova incursão: os pesquisadores querem construir uma espécie de mapa genético do escritor e a recriação do que seria sua face,claro, a partir daquilo que já encontraram. Esse trabalho já está em curso. Francisco Etxeberria, diretor do projeto, descarta a possibilidade de fazer um exame de DNA para atestar se, de fato, a ossada encontrada é de Cervantes e não há um porquê desse desinteresse. Para Etxeberria, também não mais chances de encontrar outros ossos. Parece que, sobre uns restos, estão a criar toda uma ficção ainda mais cabulosa que qualquer ficção. (1) Leia sobre o início das buscas. (2) Diante de um ataúde com as iniciais de Miguel de Cervantes. (3) O que fazer se encontram Miguel de Cervantes (4) Um ponto final nas buscas por Cervantes?

>>> Inglaterra: 1925 como o melhor ano na história da literatura, será?

A eleição é da BBC Culture. Entre as razões para essa constatação estão a estreia de Ernest Hemingway, a publicação de Mrs.Dalloway, de Virginia Woolf, O Grande Gatsby, de F. Scott Fitzgerald (representado nesta post por Leonardo Di Caprio no papel-título do filme), The Making of Americans, de Gertrude Stein, Manhattan Transfer, de John dos Passos, Uma Tragédia Americana, de Theodore Dreiser, e Arrowsmith, de Sinclair Lewis. A constatação é uma resposta para perguntas como que livros fundamentais foram publicados em maior quantidade num curto espaço de tempo ou que autores fundamentais estrearam nesse mesmo espaço. Para dizer o que se compreende por "fundamentais" a questão base é que obras continuam a encantar leitores durante muitas gerações seguidas. Todos os livros acima mencionados certamente atendem a esses critérios. Mas 1925 também foi especial, porque trouxe "uma manifestação cultural vibrante, vários livros de referência e uma mudança de paradigma no estilo de prosa", diz o site.

>>> Brasil: Esta semana teve estreia em alguns cinemas o filme Meus dois amores

O filme de Luiz Henrique Dias é baseado no conto "Corpo fechado", de Guimarães Rosa, publicado na coletânea Sagarana. Conta a história do fanfarrão Manuel que vivia de dois amores, Das Dô e a mula Beija-Fulô. Aproveitamos a ocasião para convidar os leitores à visitar nossa lista sobre obras literárias adaptadas para o cinema em 2015.

Sexta-feira, 20/03

>>> Portugal: Exposição apresenta pela primeira vez ao público várias peças do espólio do escritor Camilo Castelo Branco

O evento foi aberto entre a Irmandade de Nossa Senhora da Lapa e o Centro Português de Fotografia (CPF), a primeira sendo responsável pelo local onde se encontra sepultado o corpo do autor de Amor de perdição e o CPF enquanto espaço onde Camilo Castelo Branco esteve preso em 1860, na antiga Cadeia da Relação. Além de outros materiais, algumas peças como uma caixa de rapé, uma luneta e vários documentos inéditos que a irmandade guarda mais o revólver com o qual o escritor cometeu suicídio em 1890.

>>> Brasil: As crônicas de Scliar

No dia 23 de março de 2015 chega a data do aniversário de 78 anos de Moacyr Scliar. E o site oficial prepara uma surpresa aos leitores: a abertura de um espaço dedicado a abrigar toda a produção cronística do escritor. A partir do dia 21 e todos os sábados será publicada uma crônica das que já estiveram publicadas em jornais como Zero Hora e Folha de São Paulo.

>>> Estados Unidos: Uma ópera a partir de As intermitências da morte, de José Saramago

O ODC Theater, em San Francisco, EUA, recebeu a estreia da ópera Death with interruptions, baseada no romance homônimo de José Saramago. Com música composta por Kurt Rohde e libretto do historiador Thomas Laqueur trata-se da primeira ópera produzida pela Left Coast Chamber Ensemble e foi escrita para três solistas, uma orquestra de câmara e um coro de câmara composto por 16 vozes. A direção da ópera é de Matilda Hofman e Majel Connery. Esta é a primeira adaptação deste romance de José Saramago, que já viu outros dos seus textos adaptados para obras musicais.

..........................
Sigam o Letras no FacebookTwitterTumblrGoogle+Instagram 



Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

A atualidade da tragédia grega

É urgente redescobrir a poesia de Hilda Hilst

Ernesto Sabato, algum testamento

Dezesseis obras imprescindíveis ganhadoras do Prêmio Pulitzer

Boletim Letras 360º #216

Em teu ventre, de José Luís Peixoto

Café Society, de Woody Allen

A genial arte de escrever em pé

A violência como produto humano

Mães de tinta e papel: onze livros