Nelson Rodrigues e A vida como ela é



Nelson Rodrigues pode ser designado como um famoso dramaturgo, cronista, jornalista, romancista – encoberto sob o pseudônimo feminino de Suzana Flag –, polígrafo, moderado pornógrafo e amante do futebol. Tantos depois, o mundo segue redescobrindo sua obra enquanto no seu país ainda segue como um desconhecido de leitura necessária; A vida como ela é, por exemplo, foi traduzida pela primeira vez para o espanhol agora em 2015. Obra significativa (para não dizer a mais significativa) de Nelson. 

Retrata os hábitos amorosos da sociedade carioca dividida em duas classes sociais distintas: há peças que tomam como foco os mais abastados; outras, os marginais, aqueles sequer podem alimentar seus filhos. Mas, em grande parte, Nelson foi um observador contumaz da classe média; em A vida como ela é mesmo, a maioria das vezes o centro de atenção se situa aí. E outro detalhes: há, sobretudo, um trânsito fluente entre classes – como foi representado pela literatura desde Machado de Assis. 

Como destaca Cristian De Nápoli no prólogo para a edição espanhola, Rodrigues “conta a seu modo a crise do matrimônio durante a primeira etapa do neoliberalismo na América Latina, depois da Segunda Guerra Mundial, em sintonia com o boom da grande cidade”. Para Marta Sanz, a tradução que também é feita por De Nápoli resolve algumas dificuldades que no espanhol poderiam soar como anômalas se não estivéssemos diante de um bom tradutor, alguém que tivesse o ouvido perfeito para captar a língua viva, que parece ter sido um dos grandes exercícios do próprio brasileiro. 

“O estado de espírito revolucionário e muito folhetinesco da série talvez tenha sua origem num episódio acontecido na adolescência do escritor: sua cunhada Silvia disparou um revólver na presença dele”, lembra Sanz. Por sua vez, é esse caráter duplo que dá o movimento da linguagem na obra de Nelson e contribui para a presença de temas como a fidelidade, o adultério, a destruição da instituição familiar, o que por sua vez justifica o grande interesse da televisão em adaptar esse conteúdo.

A ambição panorâmica e realista expressa no título parece se contradizer desde a primeira até a última peça da série. Parece. Nelson tem olhos de lince em compreender que grande parte daquilo que o olho comum vê é máscara e aparência. Por isso quer enxergar aquilo que se oculta; os leitores recebem não apenas um registro de como as coisas de fato são, como a potente visão de um homem que sabe da corrupção e da depravação entre os sujeitos como elemento potencializador das vivências comuns. E essa potente visão recai sobre a família tradicional, essa que o romance realista já atacava ao demonstrá-la em vias de extinção pelo cinismo e pela traição. É claro que a família aqui é apenas uma metonímia para a sociedade como um todo.

Nelson Rodrigues pode então ser definido como depravado ou anarquista? Para Marta Sanz não. "Nelson é um moralista, um ideólogo da sensualidade e do casamento, um cronista negro daqueles que vê o que se passa atrás da porta e, por isso flagra, de vez em quando, que o tiro sai pela culatra. Daí seu encanto sedutor. Porque, embora censure o perigo dos beijos de língua, a maldade das relações adúlteras entre cunhados ou entre as mulheres e os melhores amigos dos homens; embora exponha um código de honra calderoniano de denúncia das víboras, dos consentidores, das mulheres que manipulam seus maridos, dos velhos que fornicam com meninas e as engravidam; embora escreva truculentos relatos sobre o aborto ou fala de homens que se prostituem como castigo para suas mulheres ou de filhas que aprovam que seus pais matem suas companheiras adúlteras; embora destaque velhos estereótipos como o do canalha e a cínica com adjetivos que julgam sem indigestão para as ações das personagens – ‘abominável’, ‘infame’, ‘esplêndido’; embora aconteça tudo isso e às vezes este escritor começa a ser para o leitor como muito maldoso, de repente, Nelson abre a mão para os beijos, e seu gosto pelo mórbido com a aparição para o detalhe escatológico e grotesco, às vezes quase surrealista, e estamos já diante de um escritor que é, sobretudo, um provocador", diz.

E sobre o caráter às vezes até surrealistas é notável em peças como “O pastelzinho” em que uma recém-casada morre por uma cólica,  “A inocente", protagonizada por um desdentado, ou o desenlace de “A dama da lotação”,  que em seu exagero e patetismo nos leva a evocar cenas de Buñuel interpretadas por atores histriónicos. São exemplos como esses que destacam a necessidade de colocar Nelson Rodrigues em seu merecido lugar dentro da literatura brasileira. "Os contos provocam, querem aliciar e aliciando, provocam porque a provocação é um legítimo instrumento didático para dizer como as coisas são. Ou talvez é que em nosso mundo as lições tenham se convertido numa provocação", destaca Sanz.

A outra característica relevante, que explica além do comentado êxito massivo desta série de textos, consiste no mérito da escrita diária: as peças de A vida como ela é foram publicadas diariamente entre 1951 e 1960 no jornal Última Hora. E Nelson Rodrigues escreveu mais de 2 mil delas, publicadas em livro apenas uma pequena seleção. Também o contexto de escrita proporciona as chaves para entender o encanto popular de um estilo acessível: o atrativo da fragmentação e da concisão, a explicitação, a velocidade vertiginosa das ações, os finais abruptos, a pornografia light – a subida de tom – o laconismo de alguns diálogos repletos de expressões coloquiais de seu tempo, o esquematismo de personagens e tramas que se reptem e combinam de distintas formas, criando uma confortável familiaridade para o leitor. Além de tudo, sobressai a ambiguidade de uma língua literária que se converte com tal força.

* Este texto se apropria das ideias de "Ración diaria subida de tono", da citada Marta Sanz.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Alguns dos melhores começos de romances

Uma entrevista inédita com Liev Tolstói

Água viva, de Clarice Lispector

Potnia, de Leonardo Chioda

Avenida Niévski, de Nikolai Gógol

A lista de leituras de Liev Tolstói

De Mário Peixoto, é preciso virar a página

A ignorância, de Milan Kundera

O romance perdido de Sylvia Plath

Boletim Letras 360º #236