Vanessa Maranha romancista

Por Alexandre Bonafim



Vanessa Maranha é uma das jovens e promissoras escritoras brasileiras da atualidade. Seu romance de estreia, Contagem regressiva (Ed. Off-flip), vencedor do prêmio Off-flip, não somente atesta a mesma sensibilidade, a argúcia da contista de Oitocentos e sete dias, como também a insere no time dos romancistas de talento.

Contagem regressiva possui uma ironia ao estilo machadiano, principalmente de O Alienista, aliada ao humor do Campos de Carvalho de A lua vem da Ásia. E isso não é pouco. Vanessa, em sua elegante narrativa, insere-se em importante eixo de leituras de nosso cânone, revivendo, de maneira pessoal e criativa, o que temos de melhor em nossa história da literatura. Faz isso, no entanto, com personalidade e afiada agudeza crítica, o que a eleva à categoria de artesã da palavra, aprendiz dos grandes mestres, mas também mestra ela mesma, sem influências meramente fáceis e reprodutoras. E não ficamos apenas por aqui. Além dessa ironia recheada de um riso matreiro, malandro, podemos também observar o doce e lúdico lirismo de um João Ternura de Aníbal Machado. Eis, enfim, uma composição de influências que tornam Contagem regressiva uma obra de elevada fatura estética.

A narrativa não segue uma linearidade cronológica. Principiamos contemplando o desfecho do destino de João, protagonista da trama que, num ato heroico, decide-se internar por vontade própria em um hospício. O gesto de se autoproclamar louco é um índice, enfim, de nossa era de banalização da racionalidade científica, o que faz da inteligência de João um verdadeiro corte na ditadura do pensamento técnico, muitas vezes castrador e alienante.

Essa primeira etapa do romance, mais meditativa e ácida, haja vista que o narrador destila uma ironia mordaz, principalmente devido à consciência de sua idade e de seu cansaço existencial, desvela-nos importantes reflexões sobre nosso tempo e os costumes contraditórios e estranhos arraigados pelo senso comum. É o que podemos observar no seguinte fragmento: “Não entendo tanta dieta e magreza, não compreendo a onda mortal de saúde, moços anabolizados, moças encharcadas de testosterona nos seus corpos rígidos e plásticos, levando marmitas para alfaces e granolas à religiosidade das refeições insípidas de três em três horas. Não compreendo não comer com gosto e prazer, mas beber e se drogar tanto. Não compreendo tanto antidepressivo, quando, houve um tempo, era chique certa melancolia, certo ar blasé. Sou um ultrapassado” (p.73- 74). O colocar-se como louco, como no caso do famoso conto machadiano, deixa em evidência, pela ironia, a loucura nossa de cada dia, diluída no absurdo de um gestual reificado e caduco.

Na última etapa do romance, vislumbramos o narrador menino, deslumbrado pelo mundo, pelas mil experiências malucas na busca vã e lúdica de erradicar a morte, a fim de fazer ressuscitar o avô falecido. Aqui Vanessa cria personagens memoráveis, repletos de graça, de leveza, de encantamento poético. Ficamos arrebatados com o anjo Nicolau, com a tia-avó Palmira, com a louca e clarividente Saula. O texto muda de luminosidade. Aqui, diferentemente da primeira sequência do romance, há a explosão da cor, da música, dos gostos, das texturas. A narrativa é invadida por uma onda solar de juventude, de encantamento mágico. O humor, antes mordaz, atenua-se, torna-se doce, lírico. A ironia crítica cede espaço ao onirismo infantil, ao devaneio tipicamente bachelardiano. Tal devaneio fica tangente no recorte conciso e contundente do seguinte diálogo entre a tia e o menino: “- Então, tia, você não acha que eu sou louco? – Louco nada. Você é criança.” (p. 130). Clarividente, a infância desvela-se no texto como uma metáfora viva para o verdadeiro destino do homem, levando-o à prodigalidade de um existir mais vasto, venturoso e verdadeiro.

O título, Contagem regressiva, a despeito de trazer um viés trágico, desvela-nos, pela inversão da narrativa ao avesso, da velhice rumo à infância, o signo de uma esperança. Esperança, sobretudo, calcada na força do devaneio infantil, capaz de aliviar e desfazer a ditadura da racionalidade e da sensatez. É preciso um pouco de loucura lúdica, de menino, para suportarmos a contagem regressiva rumo à morte.

Vanessa Maranha, com sua criatividade vigorosa, com sua linguagem expressiva, marcante, talhada pela ironia e pela graça da alegria, permite-nos, assim, em seu romance de estreia, momentos recheados de encantamento e prazer. Eis, enfim, uma romancista de fôlego e talento, escritora já devidamente madura, pronta, enfim, para nos legar ainda outros muitos momentos de excelente literatura.   

***
Colunista do Letras in.verso e re.verso; é doutor em Literatura Portuguesa pela Universidade de São Paulo (2012). Atualmente é professor adjunto de Literaturas de Língua Portuguesa da Universidade Estadual de Goiás, unidade de Morrinhos. Tem experiência na área de Letras, com ênfase em Literatura Portuguesa e Brasileira, atuando principalmente nos seguintes seguimentos: poesia portuguesa, literatura portuguesa, literatura brasileira, poesia brasileira.


Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Uma farmácia literária que pode curar quase tudo

Inferno provisório, de Luiz Ruffato

L’amour, de Michael Haneke

O Bovarismo como pedra de toque na obra de Lima Barreto

Rupi Kaur: poeta reconcilia o passado das mulheres indianas e transforma sua dor em tema universal

A religiosidade clandestina de Hermann Hesse

Como alguém se transforma num escritor? Dez notas sobre o primeiro livro

Sartre: a autenticidade e a violência

Como enfrentar Ulysses

Entre a interdição e a plenitude: treze livros para o Orgulho Gay