Submissão, de Michel Houellebecq

Por Carlos Zanón



No início parece as trombetas de Jericó. Mas no finaç são só violinos desafinados tocando ao pé do ouvido. Discussão midiática, livro, entrevista, tocata e fuga: um bom suflê. Para alguns, ao ponto. Para outros, demasiadamente amargo. Banal, polêmico, fútil, lúcido ou valente. E de uma forma ou de outra todos falam e muitos compram. Descobrem que dentro do suflê há um livro e dentro do livro um autor com mais ingredientes de escritor do que aparenta. Houellebecq é como escreve. Você ama ou odeia.

Sem seu talento, faro e essa artesanal e personalíssima maneira de urdir sua mecânica intelectual de tese, ficção, autobiografia, piada, sexo mecanizado, suicídio roudinesco e niilismo hedonista, Houellebecq não haveria aguentado nem o primeiro round do combate. Mas segue. Marcando o passo. Gerando debate porque, na sua maneira de expor o feio e não ceder à tentação literária de criar beleza do lixo, nos enfrenta com algo mais doloroso que a nossa própria imagem no espelho. 

Houellebecq levanta o véu a todas as verdades que damos por certas e corretas e que são só construções voluntárias, intelectuais, quimeras que não nos temos tomado a audácia de analisar ou ver a profundidade de seus fundamentos. Castelos de cartas que enquanto chega o lobo – violência – ou um simples cachorro mal-encarado – crise – se derrubam ao primeiro sopro. 

A Europa tem usado mal conscientemente sua única ética. E, à maneira de seus cidadãos, é profundamente conservadora. E o mal se universaliza. Queremos uma coisa durante o dia, mas à noite, ao irmos dormir, rogamos aos outros que limpem as ruas dos mendigos, não deixem assaltar nosso espaço e os Estados Unidos sigam acreditando que Deus está do seu lado. Isso é o que esculpe o escritor francês, um moralista que espera algo de um queijo ou um polvo, mas nada do ser humano.

As trombetas venderam islamofobia com Submissão, mas mesmo que você tenha a pele da raiva muito fina não chegará a passar nem do nojo. Porque o espantalho é França, Europa, esta sociedade decadente, esclerosada, preconceituosa que, para Houellebecq, tem se matado em nome de Deus, do prazer, da violência, ideias e quimeras, masculinidade, alergias e irritações adolescentes para converter-se num tio solteirão e inofensivo que nada viu e de que quem ninguém espera que deixe herdar o lugar central. 

A Houellebecq não importa os valores ilustrados se não fazem chegar os trens pontualmente. Se o injusto (o patriarcado, as mulheres em casa, o matrimônio tornado um negócio patrimonial de confiança) funciona, para que empenhar-se em fazê-lo justo se isso o converte em inutilidade? O que seríamos capazes de abrir mão em troca de menos prisão, menos delinquência, mais prazer e mais ordem? Mais do que nos atrevemos a reconhecer.

Em Submissão o romance de tese se transforma em romance de hipótese. Numa França muito próxima – que na verdade é um agora depois de amanhã – as eleições presidenciais demonstram o fim do bipartidarismo tradicional. Assim, é depois da disputa entre a Frente Nacional de Marine Le Pen e um partido islamista moderado, que tem um líder inteligente e carismático, Mohammed Ben Abbes. Quando estamos a ponto de imaginar um desenlace favorável à esquerda, o que acontece é um levante contra Le Pen e Ben Abbes é levado ao governo.

Como romance, Submissão tem umas cento e tantas páginas soberbas em que Houellebecq demonstra inteligência e talento ao manejar materiais perigosos que nas mãos de outros escritores só ganhariam a forma de puro panfleto, tese sci-fi, quando muito, um arquetípico cenário de medo e clichês simbólicos. Nessa primeira metade do livro, o escritor acerta ao convocar o leitor para sua hipótese expondo-o não a revoltas ou à queima do Louvre, mas construindo uma trajetória possível, verossímil, quase tentadora, e aparentemente inofensiva – estará aqui as acusações de louvação ao Islã? A visão de Ben Abbes não é se não a Europa de Augusto. A velocidade de uma viagem de navio, o autor introduz clima e ritmo de thriller pré-apocalíptico, no advento do fim do mundo tal e como o conhecemos.

O protagonista, François, é um professor especialista num escritor do século XIX, Huysmans. François é um tipo com uma vida pessoal tomada por uma solidão desamparada e com um futuro acadêmico seguro mas sem prestígio nem vaidades. É um homem que ocupa uma posição numa sociedade deteriorada depois que o secularismo dinamitou a ideia tradicional de família, coletividade e rebanho. Algo que François também deprecia, mas não acerta encontrar as saídas dessa ruína. É necessária uma transfusão. Sangue novo. Um Deus pré-Iluminista e não explicado.

É bem verdade que num dado momento alguém apaga as luzes da Casa Houellebecq. E só acordamos com isso. Como se o autor já desse por acabado o romance antes de terminá-lo. Como se o tédio dele, se converter-se na falta de esforço exigido e já estivesse pensando no momento seguinte ou em pedir um sushi em domicílio. É quando Houellebecq coloca sua dose prévia de sexo no cartão de crédito, que mais parece Almodóvar quando traz sua mãe para um filme. É quando nos coloca a tese ou as leituras com os caroços do purê esquecido que dá força à ficção para a qual nos arrastou até ali e não discute o resultado ensaiado.

Mas, no fim, Submissão remonta alguma coisa, e quer mesmo ser algo desleixado e em vias de desintegrar de maneira rápida a substância exibida no início. E certamente a ironia de que a submissão, o armistício, a derrota seja entregando valores que são transcendentes não tem sentido se a troca é por mais petrodólares para as instituições acadêmicas, boas jubilações e a guinada da poligamia para uma sociedade em que o masculino nunca deixou de ser visto às escondidas vergonhosamente no quarto dos hóspedes sempre infantil  e estúpido. Talvez. Mas basta só ver o que diz nas camisetas dos grandes times de futebol ou do que seríamos capazes em troca de não acabar a vida em fraldas trocadas por gente que não é do seu clã.

Ligações a esta post:
>>> Tão logo foi publicado na França trouxemos detalhes sobre o romance de Houellebecq.
>>> Leia uma entrevista com escritor francês a The Paris Review (em português) que editamos aqui.

* Este texto é uma tradução livre de "La tentación" publicado em El País.


Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Uma farmácia literária que pode curar quase tudo

Inferno provisório, de Luiz Ruffato

L’amour, de Michael Haneke

O Bovarismo como pedra de toque na obra de Lima Barreto

Rupi Kaur: poeta reconcilia o passado das mulheres indianas e transforma sua dor em tema universal

A religiosidade clandestina de Hermann Hesse

Como alguém se transforma num escritor? Dez notas sobre o primeiro livro

Sartre: a autenticidade e a violência

Como enfrentar Ulysses

Entre a interdição e a plenitude: treze livros para o Orgulho Gay