Boletim Letras 360º #121

Um imbróglio envolvendo o nome do escritor Franz Kafka teve um veredito final esta semana. Qual será?


Mais um sábado. E todo sábado é dia de Boletim Letras 360º. As notícias que circularam em nossa página no Facebook e você não acompanhou ou quer simplesmente reler, estão aqui, guardadinhas num só lugar. Vamos lá?

Segunda-feira, 29/06

>>> Brasil: Edição comemorativa de Macunaíma

A Editora Nova Fronteira aproveita as celebrações pelos 70 anos da morte do escritor para publicar uma edição especial da obra marco do Modernismo brasileiro. A obra foi publicada originalmente em 1928 e a nova edição em capa dura é incrementada com fotografias inéditas do escritor e material sobre o processo de criação do romance. Em 1979 a obra havia ganhado uma edição do gênero com ilustrações de Carybé - era a passagem de seus 50 anos de publicação. A edição foi da Editora da Universidade de São Paulo.

>>> Brasil: Onde está o seu pudor? Jogue fora para entregar-se a essa antologia publicada pela Ateliê Editorial e organizada por Eliane Robert Moraes, com desenhos de Arthur Luiz Piza

São mais de 500 páginas resultadas de uma extensa pesquisa iniciada em 2005; ao todo, cerca 350 poemas escritos nos últimos quatro séculos por autores brasileiros; dos nomes mais conhecidos do grande público, como Gregório de Matos, Gonçalves Dias, Carlos Drummond de Andrade, Ana Cristina César, Hilda Hilst, Roberto Piva e Arnaldo Antunes aos menos conhecidos, como Francisco Moniz Barreto, Múcio Teixeira e Moysés Seyson e poemas anônimos. São poemas escritos em diversas formas: quadras, odes, elegias, haicais, sonetos etc. A variedade de textos está unida por uma constante: o erotismo. Antologia da poesia erótica brasileira, eis o título.

>>> Espanha: Edição de luxo reúne os cadernos de desenho de Van Gogh

São as joias da coroa de uma coleção do artista guardada pelo museu que leva seu nome em Amsterdã. Delicados, difíceis de conservar e cheios de esboços a lápis e carbono, são também um exemplo da paixão do pintor pelo ofício. Um autodidata com pouca paciência. São quatro caderninhos onde fez esboços e outros três dedicados a Betsy Tersteeg, filha de seu chefe em Goupil, o negociador de artes com quem trabalhou em Haia. A editora Artika reuniu esse material numa cuidadosa edição fac-similar intitulada O olhar de Van Gogh. E é destinada a colecionadores. A tiragem é de 2998 exemplares (vendidos a 3 mil e 500 euros). Cada edição é enumerada e inclui 17 telas a partir de outros livros sobre a vida e a obra do pintor. O trabalho feito artesanalmente só foi possível pelo zelo na delicada reprodução do material feita pela Fundação Van Gogh. Desde a publicação, mil exemplares já foram vendidos.

Terça-feira, 30/06

>>> Brasil: Fora do mercado há pelo menos 5 anos, Toda poesia – a obra poética completa de Ferreira Gullar ganha nova edição

O título em caba dura reúne os textos de Em alguma parte alguma, o último publicado por Gullar. Com novo projeto gráfico, a obra edita pela José Olympio passou pelo trabalho de revisão integral dos poemas tomando por base suas diferentes edições e inclui um poema que havia sumido da obra do autor desde a sua 1º edição.

>>> Brasil: Florbela Espanca reestreia em julho no TOP Teatro, em São Paulo

Trata-se de uma apresentação solo da atriz Lorenna Mesquita que, grávida de 8 meses, leva ao palco os pensamentos de uma das maiores poetas portuguesas numa apresentação designada pela crítica como "emocionante" e já apresentada em Portugal, Estados Unidos e Cabo Verde. Com direção de Fabio Brandi as apresentações de Florbela Espanca: a hora que passa acontecem até o dia 30 de julho, sempre às quintas, às 21h

Quarta-feira, 01/07

>>> Brasil: A Academia Brasileira de Letras revelou os demais vencedores do Prêmio 2015; o destaque é Ana Miranda

Muito cedo vazou a notícia de que o vencedor do Prêmio Machado de Assis (pelo conjunto da obra) é o escritor mineiro Rubem Fonseca; depois veio a polêmica da ABL se furtar ao prêmio para a categoria de poesia porque da produção brasileira em 2014 nenhuma merecia a honraria. Fora isso, a premiação foi dividida assim: Ensaio, Crítica e História Literária para Roberto Acízelo de Souza, (Do mito das musas à razão das letras); Tradução para Denise Bottman (Aguapés, de Jhumpa Lahiri, Globo Livros); Literatura infanto-juvenil para Nelson Cruz, (O livro do acaso); Ficção para Ana Miranda (Musa praguejadora – a vida de Gregório de Matos); História e Ciências Sociais para Bolívar Lamounier, (Tribunos, profetas e sacerdotes – intelectuais e ideologias no século XX); e Cinema para Mario Luna e Antonia Pellegrino, roteiristas do filme Tim Maia.

>>> Brasil: Entre agosto e setembro, a Holanda muda-se para o Brasil. Café Amsterdã vai reunir aqui os mais importantes escritores da cena contemporânea naquele país.

Depois de ter acontecido na China, Itália, Espanha, Alemanha, Argentina, República Checa e França, o evento chega ao Brasil. De 26 a 29 de agosto estará São Paulo, na Casa das Rosas; e de 1º a 3 de setembro no Rio de Janeiro, na Biblioteca Parque. Oito escritores vêm da Holanda: são nomes como o do jornalista Arnon Grunberg, um dos mais importantes escritores contemporâneos do país, autor de Tirza, a ser lançado no Brasil pela Rádio Londres; Toine Heijmans, também jornalista, na lista dos mais vendidos em Amsterdã com seu No mar, editado pela Cosac Naify; o poeta Arjen Duinker, que terá uma seleção de poemas lançada em julho pela Confraria do Vento; e a artista gráfica Barbara Stok, autora de Vincent, HQ sobre a vida de Van Gogh, adotada no próprio Museu Van Gogh, e que chega ao país pela L&PM Editores

>>> Brasil: O último livro de poesia de Thiago de Mello

Acerto de contas é publicado pela Global Editora e apresenta mais de setenta poemas inéditos escritos durante sua carreira. A obra está dividida em cinco partes, sendo a última uma espécie de acerto de contas com a vida. Além de poemas já conhecidos e dos inéditos a obra reúne algumas preciosidades, como uma carta que Drummond escreveu para Thiago em 1986, além de um poema escrito pelo filho de Thiago.

Quinta-feira, 02/07

>>> Israel: Chamada de criminosa, Eva Hoffe é condenada a devolver imediatamente os manuscritos que tem de Franz Kafka

A novela não é nova (leia mais aqui e aqui), mas agora a justiça israelita soltou um mandado de busca aos manuscritos em poder da filha da secretária de Max Brod, amigo de Kafka; sabe-se que o autor de A metamorfose antes de morrer ordenou a Brod que destruísse seu espólio. Brod não fez e antes de morrer deixou com a secretária para que ela doasse os documentos, com valor avaliado em vários milhões de dólares, "à Universidade Hebraica de Jerusalém, à Biblioteca Municipal de Tel Aviv, ou a outra instituição em Israel ou no estrangeiro". Ela não fez; preferiu dividir a herança entre as suas duas filhas, Eva e Ruth, fazendo da coleção Brod alvo de disputas entre institutos universitários, arquivos nacionais alemães e israelitas e as duas herdeiras. A decisão saiu em 2012 e até agora Eva não devolveu, mesmo depois de perder a recorreção da causa. A justiça decretou Eva como criminosa e publicou mandado de busca.

>>> Argentina: Coleção de livros de ficção policial dirigida por Jorge Luis Borges e Adolfo Bioy Casares é reeditada.

Batizada de "O Sétimo Círculo", os títulos fizeram a vida de muitos leitores há 70 anos. O interesse dos dois escritores era desenvolver no seu país o gosto pelo tradicional romance policial inglês. Agora, até o mês de outubro, os vinte títulos mais emblemáticos da coleção ganham reedição.

Sexta-feira,03/07

>>> Brasil: Coleção reúne clássicos importantes da poesia e prosa universal

Já uma vez apresentamos aos leitores uma nova edição da Antologia poética, de Mário de Quintana (fizemos sorteio aqui); e outra vez apresentamos a coleção desenvolvida em parceria da Grua Livros com a Livraria Cultura. Agora, juntem as duas peças. Sim, a livraria apresenta uma nova coleção; com a Editora Nova Fronteira e traz entre outros títulos uma Antologia poética, de Mário Quintana. Além dele, já está disponível, As flores do mal (Baudelaire), Os cantos (Pound), A vida como ela é (Nelson Rodrigues), e Diário de um ladrão (Jean Genet).

>>> Brasil: A poesia de Manoel de Barros em diálogo com a fotografia de Adriana Lafer

"Eu gostaria de realizar com você esse sonho - que agora é meu também. [...] Não sei se terei tempo nem fôlego para isso." Com essas palavras, Manoel de Barros expressa ainda em vida seu desejo de publicar um livro com seus poemas e as imagens de Adriana Lafer, desejo este que foi agora concretizado num livro-objeto intitulado Arquitetura do silêncio. A proposta surgiu da conexão entre Adriana Lafer e Manoel de Barros e se aprofundou quando o poeta e a fotógrafa se conheceram pessoalmente e passaram a trocar imagens e palavras. Dessa convivência, criaram uma relação que mistura palavra e imagem num "repertório de irresponsabilidades" nas palavras do poeta, em imagens escritas por ele, em palavras fotografadas por ela, e no encontro entre linguagens em suas mais diferentes composições.

>>> Brasil: Uma edição para marcar datas: 100 anos da seca de 1915 e 85 anos de publicação de um dos livros fundamentais da literatura brasileira de 1930

O quinze, de Rachel de Queiroz causou sensação quando publicado e ainda hoje é fundamental pela capacidade com que a romancista descreve um drama registrado como metonímia sobre um dos períodos mais violentos da história das secas no sertão nordestino. O quinze é o embate entre o homem e a natureza, no trágico destino de um povo assolado pela intempérie e pelo descaso do poder político. No ano emblemático, o livro ganha uma edição de luxo com texto de apresentação de Nélida Piñon.

 ..........................
Sigam o Letras no FacebookTwitterTumblrGoogle+InstagramFlipboard


Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Em teu ventre, de José Luís Peixoto

16 + 2 romances de formação que devemos ler

Milena Jesenská, muito além de namoradinha de Franz Kafka

Boletim Letras 360º #221

Cem anos de solidão cumpriu a profecia de Melquíades

Um romance com treze títulos

J. R. R. Tolkien, o mito desconstruído

Como enfrentar Ulysses

O homem sem doença, de Arnon Grunberg

George Orwell e a podridão dos livros