Os oito odiados, de Quentin Tarantino


Por Pedro Fernandes



Tornou-se lugar comum a exaltação da genialidade: basta que alguém faça alguma coisa que se distinga das formas triviais e ganhe com isso alguma visibilidade. Fazer alguma coisa que se distinga das formas triviais, entretanto, nem sempre é um signo de genialidade, logo, não é possível chamar alguém, por esse motivo, de gênio. Essa questão é trazida para o início de um texto que aparentemente se configura como um conjunto de notas sobre o mais recente trabalho de Quentin Tarantino por uma causa – a febre que tomou alguns expectadores mais exaltados, fãs do diretor, a partir de Os oito odiados

Se esta é uma das produções melhor realizadas – é meu ponto de vista, de alguém que descobriu o diretor em Pulp fiction (o título que certamente o tornou querido entre todos), deixou de ver alguns outros trabalhos seus e, a partir de Kill Bill não perdeu nenhum dos seus filmes – isto não o faz de um todo genial. Mesmo porque o adjetivo talvez nunca sirva a quem é só um exímio catador de referências e bricolagens no processo de composição da obra; não há nesse curso o trabalho criativo (no sentido de criação) comum a outros cineastas que introduziram maneiras de composição únicas e logo indispensáveis para todas as produções que vieram a seguir. Isso não desfaz a compreensão de que Tarantino é um dos mais inventivos de sua geração. Mas gênio, é melhor gastar esse termo com figuras como os irmãos Lumière, os responsáveis por essa forma de expressão pela imagem, e os criadores que acrescentaram peças e recursos no desenvolvimento do cinema tal como conhecemos hoje.

Agora, o que faz de Os oito odiados o melhor de Tarantino? No meu caso, talvez seja a maneira como o cineasta se propôs passar a limpo a formação étnica de seu país. Sim, este filme tem, além da extensa quantidade de referências catadas no lixão, digamos assim, formado por todas as produções cinematográficas, inclusive as do próprio diretor, um caráter vindo em boa hora, de se repensar as origens do estadunidense – sem que os termos não fiquem por servir apenas ao contexto onde nasce a obra, afinal, a formação dos Estados Unidos se deu de maneira mais ou menos próxima dos demais países da América; se eles tiveram o privilégio, por assim dizer, de uma colonização de povoamento, muito diferente do que os portugueses fizeram com o Brasil, por exemplo, não deixam de ter recebido toda sorte de pessoas e ter sido campo fértil para uma diversidade cultural (constantemente marcada pela necessidade de achatamento das formas no intuito de construir uma identidade acabada do estado-nação) e também uma diversidade de interesses escusos e o certo princípio do bem-estar social ou do ideal de civilização corrente na Europa como necessário aos chamados novos povos. E todas essas questões não passam ilesas nesse filme. 

Para emoldurar essas discussões o cineasta retorna ao motivo de seu trabalho anterior, a questão racial – talvez a marca mais latente na formação do estadunidense. Traz para a cena, inclusive, a mesma figura do caçador de recompensas negro, mas agora, o destrona do pedestal de herói (uma resposta às críticas mais radicais de que Django livro era uma celebração à liberdade do negro nos Estados Unidos?) e reafirma aquilo que concluiu no filme anterior: a questão racial não só uma marca latente na formação do estadunidense, é também a mais vergonhosa, a mais inconcebível, porque é um preconceito de um ser por outro da mesma espécie. Não há crime praticado por um negro contra um branco racista que pague esse outro crime. Isso é muito visível na presença do caçador de recompensas vivido por Samuel L Jackson.

E como Tarantino faz isso? Reaproxima o cinema do teatro – fora a longa introdução em que apresenta as personagens (um caçador de recompensas que leva uma fugitiva para a forca, a aparição no trajeto da já citada personagem vivida por Jackson e de um caipira todo prosa com a satisfação de ir assumir o posto de xerife) – o que predomina como espaço da narrativa é uma venda tomada de membros de uma quadrilha (mais não conto para não estragar a surpresa das relações aí construídas) e essas personagens em trânsito que chegam para abrigar-se de uma horrível nevasca que as impedem de prosseguir viagem até o destino final. Na venda estão, entre outros, um velho combatente da Guerra de Secessão, o outro lado, portanto da trincheira na qual lutou a personagem de Jackson, um mexicano e um escritor inglês (ironicamente e muito bem vivido pelo próprio diretor com sacadas de metalinguagem construídas de uma maneira que quase salta para o colo do expectador que tudo ali se processa da maneira que se processa porque é conduzido por ele, embora o desfecho aponte mais para uma morte do autor).

O leitor já terá percebido que num cenário desses, marcado só pela presença de personagens representativos de mundos em conflito, não resultará outra coisa se não o embate. É por essa relação que Tarantino se desfaz da ideia da personagem principal ou da figura do herói, porque, reduzidos num curto espaço, o que resta é dar vez a todos os envolvidos na cena – apesar da presença da personagem de Samuel L. Jackson ser sempre a mais invasiva, por assim dizer, talvez pela bagagem da história de vida que o define, mais marcante que a de qualquer outra personagem nessa redoma. Mas, note que as peças escolhidas a dedo pelo diretor são as mesmas da constituição étnica de seu país e são as questões daí imanentes – na velha intriga de quem é melhor que o outro – que perpassam toda a obra. Daí o título trazer em sua constituição o termo odiados, mas, sem se ater a necessidade de serem oito os odiados (são oito as personagens envoltas no imbróglio inicial do filme, mas tenho dúvidas se todas se odeiam). O número seria apenas a marca de uma sequência das produções do diretor? Este é o seu oitavo filme e, aproveitando a deixa, sobretudo da repercussão do último título, estaria caçoando da crítica com a ideia de ser este o oitavo odiado? As especulações ficam para os especuladores.

Outro elemento que ganha forma – num filme que se desenvolve basicamente num único espaço fechado – é o texto. Tarantino atenta contra a preguiça da escrita que tem solapado a principal natureza do cinema (contar uma história através de imagens) e presa apenas na ideia do entretenimento a qualquer custo. Mostra que o bom cinema se faz com enredo e texto. E, claro, usa de todos os recursos que já integram o seu estilo de produção: o flash-back, a narrativa em off, a extensa quantidade de reviravoltas da narrativa, e as feições intersemióticas que zeram a aparência da peça de retalhos e apresenta como uma obra original. No mais, Os oito odiados parece beber, em parte, do teatro de Bertolt Brecht ou de Henry Miller, sobretudo pelo caráter político assumido pela narrativa no intuito de recobrar a história para negar certas posições retrógradas que têm, cada vez mais, ganhado corpo numa época em que se esperava já tivessem sido suplantadas. E, sim, Harold Pinter! Todo o esquema de construção dessa obra é pinteriano: um espaço fechado e a exploração limite do texto. Só por isso, é um filme necessário.


Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Dez mulheres da literatura brasileira contemporânea

Onze livros para ler na estrada

Dostoiévski, um romântico desgarrado entre a revolução e Deus

Onze obras do teatro moderno e contemporâneo fundamentais a todo leitor

Baudelaire & Poe, Ltda.

O manuscrito em que Virginia Woolf anuncia o seu suicídio

Escritores narcisistas

A arquitetura da cidade como mediadora de leitura

Obras-primas perdidas e felizmente recuperadas

Os melhores de 2016: poesia