Umberto Eco, o último dos grandes intelectuais



A cultura italiana nunca se deixou oferecer ao mundo intelectuais de grande envergadura. Umberto Eco, entretanto, pode ter sido um dos últimos na extensa lista de nomes. Não significa dizer que o pensamento estará extinto; é possível mesmo que, numa era marcada pela crise do espírito reflexivo venha daí outro nome que alcance a importância que o autor de O nome da rosa alcançou. Isso só o tempo futuro dirá.

O prolífico escritor, filósofo, semiólogo, professor universitário é um dos últimos nomes do enciclopedismo e para que não o acuse de criatura presa ao universo de tinta e papel ou que fosse um retrógrado, um dos poucos que conseguiu combinar o erudito e a cultura de massa sem toldar-lhe as fronteiras e oferecer uma reflexão precisa sobre uma diversidade de temas de natureza igualmente diversa sobre a comunidade humana. Nesse diálogo conseguiu a façanha de aproximar os dois extremos da cultura ocidental e essa talvez seja um dos elementos principais que o fizeram um dos intelectuais mais importantes para o pensamento Ocidental contemporâneo.

É extensa a quantidade de ensaios sobre estética medieval, linguística, semiótica, literatura como é extensa a quantidade dos romances de grande êxito desde quando publicou O nome da rosa, sua obra mais conhecida e já presente em grande parte do mundo e vendido também em altas cifras.

Umberto Eco nasceu em Alexandria em 1932, na região de Piamonte; foi na capital, Turim, que findou sua formação acadêmica com um doutorado em Filosofia em 1954 – na ocasião defendeu uma tese sobre a estética em São Tomás de Aquino, tema que o levaria a interessar-se pela relação entre a filosofia e a cultura medieval, linha de abordagem da qual nunca se separou, mesmo quando se dedicou não ao texto acadêmico e sim à prosa de ficção; O nome da rosa seria apenas o seu primeiro texto literário a enveredar nesse bosque.

Umberto Eco e o tempo do rádio

Um elemento que caracterizou toda sua vida como estudioso e logo sua obra foi sempre a extraordinária curiosidade, a mania pela precisão do detalhe e sua aversão ao improviso ou à aproximação. É essa curiosidade que o levará a estudar e escrever com o mesmo rigor sobre a obra de São Tomás ou as apresentações para TV realizadas com Mike Bongiorno.

Sua presença na vida cultural e na política italiana nos últimos sessenta anos foi muito importante. Foi o primeiro no seu país a escrever sobre comunicação de massas, fazendo teoria com base numa experiência concreta: entrou para o serviço no serviço público de rádio e televisão em 1954 escrevendo textos para a pasta de artes. Dessa experiência, deu o primeiro passo em seu contínuo trabalho sobre a cultura abarcando uma infinidade de campos até o ponto em que o jornal La Repubblica, do qual foi histórico colaborador, escreveu a matéria sobre sua morte, confirmada no dia 19 de fevereiro.

Em 1961, iniciou sua carreira como professor em diversas universidades italianas: Turim, Milão, Florença e finalmente Bolonha, onde obteve a cátedra de Semiótica em 1975, criando também a Escola Superior de Estudos Humanísticos. Muito importante é a lista de seus trabalhos nascidos a partir dessa nova posição, sobretudo a numerosa quantidade de ensaios, dos quais se destaca Obra aberta (1962), um conjunto de análises de textos literários a partir de Ulisses, de James Joyce que se converte num dos manifestos da neovanguarda que se forma um ano depois com o chamado Grupo 63. Da mesma época e título de grande valia para reafirmação do seu pensamento é Diário mínimo, livro que também recolhe vários ensaios, e Apocalípticos e integrados (1964), livro no qual Umberto Eco analisou desde o ponto de vista sociológico o fenômeno da comunicação de massas; significativa foi sua atenção para a correlação entre cultura de massa e ditadura no ensaio Cinco escritos morais, publicado em 1997.

Como pioneiro da Semiótica, a ciência interessada na significação da imagem, foi em Itália o fundador de uma corrente do pensamento que traduziu por semiologia italiana; na década de 1970 fundou Versus: cadernos de estudos semióticos, um dos periódicos internacionais mais importantes da área. A convivência com esse campo do saber – seja como professor, seja como leitor – levou a escrita, cinco anos depois da Versus de Tratado geral de Semiótica, uma das obras-mestras nas universidades em várias partes do mundo, inclusive nos Estados Unidos, onde Eco também foi professor.



A fama ou o reconhecimento internacional, entretanto, não veio pela ordem dos estudos semióticos, mas com seu primeiro romance, publicado em 1980, O nome da rosa, que adaptado para o cinema em 1986, ganhará meio mundo e levará o escritor a ser descoberto por uma extensa geração encantada com o mundo medieval fabulado pelo autor. É sabido que depois do sucesso da obra, editoras de várias partes do mundo viram-se interessadas em saber sobre os primeiros livros seus que ainda não haviam sido traduzidos como o caso do texto de sua tese de doutorado Problema estético em São Tomás de Aquino logo convertida num livro em vários idiomas.

Ciente dos temas favoráveis ao gosto do leitor, escreveu outras obras de natureza semelhante ao primeiro romance, como O pêndulo de Foucault, título que traz temas como a busca do Santo Graal e a história dos cavaleiros Templários, ou Baudolino e O cemitério de Praga.

A grande capacidade de Umberto Eco como romancista – assim como o professor de semiótica atento aos fenômenos da imagem em seu tempo – foi a de combinar elementos da história, a mitologia e a lenda clássica que tem como personagens figuras populares reais ou inventadas. Entretanto, olhando pelo ângulo do que via o escritor, nunca é demais lembrar o que explicou certa vez sobre o êxito imediato porque passou quando veio a lume O nome da rosa: “Nunca pensei que meus romances chegariam a se converter em produtos acessíveis às massas. Tanto é que quando terminei O nome da rosa pensei em entregar a um editor e publicar se muito três mil cópias.”

Apesar de tratar de um universo distante e complexo para o homem contemporâneo, o que terá feito com que sua obra ganhasse o público foi a maneira realista com que construiu cenários, personagens e situações.

Seu último livro do gênero foi publicado em 2015 e é um dos seus romances de verve mais política. Ainda atento ao fenômeno da cultura de massa, sua atenção volta-se para a comunicação e o soterramento desta pela tomada sem freios da internet como veículo massivo. Número zero satiriza um tempo em que os jornais podem se converter em meios de imposição sobre temas escusos ao bem-estar social da comunidade humana. A Eco incomodava o mau uso das redes sociais, como deixou declarado na polêmica compreensão de que essa era havia dado o direito à palavra para uma legião de imbecis.



Mas, não é a posição de interventor político um traço que tenha distinguido a última fase da escrita do italiano. Desde sempre foi um sujeito atento observador do que estava no âmbito das representações dessa ordem e pode-se dizer que foi um sujeito comprometido com certas questões de seu tempo. Em 2002, por exemplo, fez parte de um grupo de intelectuais e personalidades da cultura de seu país na criação da associação Liberdade e Justiça com o objetivo de dar sentido a extensa quantidade de insatisfeitos criados a partir da política. Foi quando esteve sempre atento aos desmandos de figuras como a de Silvio Berlusconi, o interessado em reabrir a selvageria de passado escuso e triste para a política em Itália.

Sua posição frente o desserviço de Berlusconi teve rescaldo até pouco tempo: em novembro de 2015 decidiu que não iria mais publicar nenhum livro pelo colosso do mundo editorial nascido da fusão das empresas Mondadori e Rcs, controlado pelo ex-estadista. Já então estava avançada a degradação de sua saúde; há quase um ano descobrira um câncer. Mesmo assim decidiu investir muito de seu patrimônio na criação com um grupo de escritores da editora La nave di Teseu.

Dos livros Umberto Eco amava tudo. Escrevia e lida de tudo. “Quem não lê, aos 70 anos haverá vivido uma só vida. Quem lê haverá vivido 5000 anos. A leitura é uma imortalidade de trás para frente”, gostava de dizer. Em sua casa em Milão, em Foro Buonaparte, onde morreu, mantinha uma impressionante biblioteca com raridades bibliográficas. Aí recebia com modos cordiais, os entrevistadores que vinham de toda parte do mundo. Nunca lhe faltou a ironia. “Estou desesperado. Tenho todavia uma posição na Universidade, escrevo semanalmente numa revista. Porque não estou morto já? Onde estão aqueles que deviam assassinar-me como nós fizemos com nossos pais?”

Sobre sua profissão dizia: “Sou um fracassado. Quando pequeno queria ser cobrador de bilhetes no trem porque tinham umas carteiras belíssimas com dez compartimentos cada uma com blocos de bilhetes de várias cores. Não como agora, que se entra no trem enfiando o bilhete numa máquina automática. Um pouco mais tarde queria ter sido general. Mas sei que minha autêntica ambição foi ser o pianista num piano-bar, até duas ou três da manhã, com um cigarro e um Whisky. Quando pequeno também queria escrever romances. Depois, como é conhecido me ocupei só de ensaios até quase aos cinquenta anos. Por que não escrevi logo meu primeiro romance? Estou cansado de que me perguntem sobre e de dar toda vez uma resposta diferente, todas obviamente falsas. Digamos que fiz porque me veio o desejo e se esta não lhe parece uma boa razão, então é porque não entende sobre literatura”.

Doutor Honoris Causa em diversas universidades e ganhador de inumeráveis prêmios como o Príncipe de Astúrias em 2000. Sim, a ironia e a sabedoria de Umberto Eco farão muita falta ao escasso tempo de hoje.

Ligações a esta post:
>>> Nove livros indispensáveis para conhecer o pensamento e a obra de Umberto Eco
>>> No Youtube, vídeo com participação de Umberto Eco como ator em A noite, de M. Antonioni
>>> Umberto Eco em imagens raríssimas
>>> Umberto Eco e amigos
>>> As mentiras de O nome da rosa
>>> Notas sobre Número zero

* Este texto só existe graças a Ángel Gómez Fuentes quem escreveu um perfil sobre Umberto Eco para o jornal ABC e grande parte do que aqui se lê é uma tradução direta dele.


Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Uma farmácia literária que pode curar quase tudo

Inferno provisório, de Luiz Ruffato

Como enfrentar Ulysses

L’amour, de Michael Haneke

O Bovarismo como pedra de toque na obra de Lima Barreto

Rupi Kaur: poeta reconcilia o passado das mulheres indianas e transforma sua dor em tema universal

Como alguém se transforma num escritor? Dez notas sobre o primeiro livro

Sartre: a autenticidade e a violência

Entre a interdição e a plenitude: treze livros para o Orgulho Gay

Clara dos Anjos: a chaga dos anos 20