Boletim Letras 360º #179

O processo envolvendo manuscritos de Franz Kafka chega ao fim. Entre os papéis há dois contos inéditos. Mais informações ao longo deste Boletim.


Reafirmamos nossa promessa: já somos uma comunidade com quase 40 mil amigos no Facebook. E tão logo alcancemos ser, teremos uma promoção que celebrará esse encontro e, acrescentamos mais outra dado, o aniversário do blog. Sim, está pertinho! Em novembro o Letras ultrapassa a linha dos 9 anos. Nos seus 10 anos online queremos fazer muito mais pelos leitores.

Segunda-feira, 08/08

>>> Brasil: Um portal que tem como objetivo principal disponibilizar para a comunidade científica e para a sociedade em geral um catálogo online da poesia traduzida publicada no país

É resultado do projeto de pós-doutorado de Marlova Aseff desenvolvido junto ao Programa de Pós-Graduação em Literatura (Póslit) da Universidade de Brasília (UnB) sob a supervisão da Profa. Dra. Germana Henriques Pereira e com o apoio do Programa Nacional de Pós-Doutorado (PNPD) da Capes. A meta inicial foi catalogar o maior número possível de traduções do gênero poesia, de todas as línguas e literaturas, que tenham sido publicadas em livro, em primeira edição, entre as décadas de 1960 e 2000. Nesta primeira versão, estão disponíveis aproximadamente seiscentas entradas bibliográficas de poesia traduzida. Em um futuro próximo,espera-se que a abrangência do catálogo possa ser expandida. O site também disponibiliza cerca de 120 perfis biográficos de tradutores de poesia que tiveram seus trabalhos publicados no Brasil no período estudado, além de sugestões de outros projetos relacionados à história da tradução, da cultura e do livro no Brasil. Tudo está aqui.

>>> Brasil: Um novo livro do poeta Moacir Amâncio

Trata-se de um longo poema fragmentário sobre a presença e a herança dos cristãos novos judaizantes, de modo consciente ou não, em Portugal e no Brasil. Faz dez anos que o poeta não publica - desde quando foi editada a antologia Ata, com toda sua obra. O novo livro está previsto para sair em setembro pela Annablume Editora.

Terça-feira, 09/08

>>> Israel: A Suprema Corte de Israel decidiu que parte do acervo de manuscritos do escritor Franz Kafka continuará propriedade da Biblioteca Nacional

É o fim de uma longa batalha jurídica. O arquivo maldito passou das mãos do amigo de Kafka, Max Brod, para Esther Hoffe; apesar de no testamento Brod pedir que Hoffe deixasse os arquivos como herança para a "Universidade hebraica de Jerusalém, para a Biblioteca Municipal de Tel Aviv, ou para outra instituição em Israel, ou no exterior", ela, que morreu em 2007, distribuiu seus bens entre suas duas filhas e, com isso, a coleção Brod se tornou objeto de múltiplas disputas judiciais. Tudo começou em 2009 e só em 2012 saiu a decisão de um tribunal para que os papéis fossem para Biblioteca Nacional de Israel. A decisão de agora é dos juízes da Suprema Corte e põe um ponto final, ao menos na disputa sobre, quem tem o direito ao material. Havíamos falado sobre aqui. O material ficará aberto para consulta do público; entre os textos, já foi adiantado que há dois contos inéditos.

>>> Brasil: Clarice Lispector e o Rio de Janeiro. Livro refaz a história da relação entre a escritora e a cidade maravilhosa

A obra deve chegar às livrarias até o final do ano. O rio de Clarice é de Teresa Montero, a mesma autora de Eu sou uma pergunta. Uma biografia de Clarice Lispector. O título que sairá pela Autêntica Editora é um guia sentimental sobre a vida de Clarice no Rio de Janeiro; mostra o trajeto pelos lugares da cidade por onde ela passou – da chegada, nos anos 1920, na Tijuca, até a morte, na Lagoa Rodrigo de Freitas.

Quarta-feira, 10/08

>>> Brasil: Nova Aguilar iniciará a reedição da obra de William Shakespeare

O projeto integra o novo formato das edições completas conduzidas pela casa. Depois de Machado de Assis e Cervantes, chegou a vez do bardo inglês. Serão três volumes, o último deles novo no projeto e com as traduções inéditas deixadas pela Barbara Heliodora, incluindo "Eduardo III"; a tradutora é, desde sempre, uma das maiores autoridades sobre a obra de Shakespeare no Brasil. Ao todo são 38 peças que virão distribuídas em: Tragédias e comédias sombrias, Comédias e romances e Tragédias históricas. No novo projeto, os dois primeiros volumes foram totalmente revistos, com a inclusão de novas notas.

>>> Brasil: Cartas de João do Rio ganham edição pela Academia Brasileira de Letras e Editora Garamond

Sempre se acusou a desatenção do Brasil para com a obra de João do Rio. E, em curto espaço de tempo, eis que alguns projetos dão uma oxigenada nessa crítica. Muito recentemente a Editora Carambaia apresentou uma caixa com o melhor mais inéditos do cronista. E agora, eis mais um livro: composto pelas 66 cartas enviadas pelo carioca a seu amigo português João de Barros. Muito d'alma transcreve minuciosamente as missivas e agrega notas e comentários dos organizadores que permitem ao leitor não só delinear um retrato multifacetado do missivista como reconstituir o contexto cultural efervescente do século XX. Não é uma edição inédita, mas aparece como complemento de alguns dados e a correção de erros das edições anteriores.

Quinta-feira, 11/08

>>> Brasil: Obra reunirá as crônicas políticas de Antônio Callado.

Em 2017 é o ano do centenário do autor de obras como Memórias de Aldenham House, Quarup, entre outras, de força indescritível para a literatura brasileira. A obra de Antônio Callado publicada pela José Olympio tem passado por uma extensa reedição desde há dois anos. Em janeiro, mês de aniversário do escritor, serão reunidas em livro suas crônicas políticas de 1978 a 1985. A edição é preparada pela Autêntica Editora.

>>> Brasil: Uma edição dá continuidade à publicação dos diários de Susan Sontag

Em 1966, a publicação de Contra a interpretação lançou Susan Sontag da periferia do ambiente artístico e intelectual de Nova York para os holofotes de todo o mundo, sedimentando seu lugar como uma força dominante no mundo das ideias. Esses registros são um retrato inestimável dos pensamentos íntimos de uma das mais inquisitivas e instigantes ensaístas do século XX. Organizado por David Rieff, Diários II (1963-1981) trata sobre anos turbulentos da viagem de Sontag a Hanói, em pleno auge da Guerra do Vietnã, até a experiência como cineasta na Suécia e às eleições presidenciais americanas de 1980. É um documento sobre a evolução de uma mente extraordinária. O primeiro volume, Diários (1947-1963) foi publicado em 2009. A edição é da Companhia das Letras.

Sexta-feira, 12/08

>>> Espanha: O Instituto Cervantes disponibiliza online seu arquivo audiovisual e patrimonial com cerca de 10.000 documentos, entre eles, diversas traduções para o Dom Quixote

O projeto do IC, de acesso livre e gratuito chama-se Colecciones Digitales e alberga material dos 25 anos de existência da instituição. Para o instituto todo esse patrimônio digital tem um alto valor pela singularidade de sus conteúdos, seus protagonistas, assim como para com a contribuição intelectual e cultural para o mundo da língua e da cultura em espanhol. Mais detalhes aqui.

>>> Brasil: Chega ao Brasil a tradução de Pedra no céu, o primeiro romance de Isaac Asimov

O título integra o rico catálogo de ficção científica da Editora Aleph. Escrito originalmente como um conto, a história foi ampliada pelo autor para se tornar seu primeiro romance publicado, em 1950. A trama se passa milhares de anos no futuro e a Terra é um planeta radioativo e quase inabitável, ridicularizado pelo Império Galáctico. E é para esse tempo que Joseph Schwartz viaja involuntariamente. Sem compreender o idioma da época, o sexagenário se torna um estorvo para os cidadãos, principalmente graças a uma rigorosa lei que condena à morte quem completa 60 anos. Schwartz acaba como cobaia do cientista Affret Shekt, que o submete, sem seu consentimento, a experimentos científicos que vão mudar seu corpo e o destino da Terra. Asimov é o autor de clássicos como Eu, robô e Fundação, também lançados pela Aleph.

>>> Brasil: A revista mensal de cultura Bravo!, publicada entre 1997 e 2013, será relançada na próxima quarta (17) por dois ex-executivos da editora que cuidava das publicações, os jornalistas Helena Bagnoli e Guilherme Werneck

O título ressurge digital, no endereço bravo.vc; e é uma produção independente, com hospedagem do site bancada por eles mesmos. Além das edições online atualizadas a cada quinze dias, a nova Bravo! terá posteriormente versões impressas trimestrais. A primeira temporada tem como tema "Incertitude". 

>>> Brasil: Novo romance de Daniel Galera será publicado em setembro

Em meio a uma onda de calor devastadora e a uma greve de ônibus que paralisa a cidade, três amigos se reencontram em Porto Alegre. No final dos anos 1990, eles haviam incendiado a internet com o Orangotango, um fanzine digital que se tornou cultuado em todo o Brasil. Agora, quase duas décadas depois, a morte do quarto integrante do grupo vai reaproximar Aurora, cientista e pesquisadora vivendo uma pequena guerra acadêmica, Antero, artista de vanguarda convertido em publicitário, e Emiliano, jornalista que tem uma difícil tarefa pela frente. Captando com maestria a geração que cresceu em meio ao início da internet, Galera explora essas vidas acuadas entre promessas não cumpridas e anseios apocalípticos. Nas vozes de Aurora, Antero e Emiliano, Meia-noite e vinte é um retrato marcante de uma juventude que recebeu um mundo despedaçado e para quem o futuro pode não significar mais nada. "Meia-noite vinte é o título e a edição da Companhia das Letras. O próprio escritor deixou um trecho inédito da obra em seuTumblr.

.........................
Sigam o Letras no FacebookTwitterTumblrGoogle+InstagramFlipboard



Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Dez mulheres da literatura brasileira contemporânea

Onze livros para ler na estrada

Dostoiévski, um romântico desgarrado entre a revolução e Deus

Escritores narcisistas

Uma farmácia literária que pode curar quase tudo

A arquitetura da cidade como mediadora de leitura

10 livros + 2 para o dia das crianças

Notas sobre A redoma de vidro

Um tesouro chamado Yasunari Kawabata

O marechal de costas, de José Luiz Passos