Canadá, de Richard Ford

Por Javier Úbeda



O romance começa de maneira espetacular e arriscada que nos deixa já boquiabertos desde as primeiras linhas, contando-nos um feito tão chamativo, significativo e melodramático que marcará todas as situações posteriores. “Para começar, vou contar o assalto que meus pais cometeram. Em seguida, os assassinatos que aconteceram mais tarde”. A partir daí, o leitor não fará outra coisa que ir dando nós como possa, um após outro, no ritmo marcado por Ford, quem tão sabiamente o guiará e deixará aqui e ali pequenas antecipações que atuarão como anzóis que antecipam algo desta fascinante história, mas não em sua totalidade, já que a trama, que está perfeitamente urdida, manterá em suspense até o final.

O narrador é o já sexagenário Dell, mas no início nos contará sua história com o frescor do adolescente que um dia foi quando sucedeu o assalto produzido por seus pais, sua posterior fuga para refugiar-se no Canadá, atendendo o desejo expresso de sua mãe quem decide enviá-lo com sua irmã Berner, embora esta última não consiga, com sua amiga Mildred, com o intuito de não caírem nas mãos do Serviço Social que provavelmente os levariam para um orfanato.

Estas 456 páginas, escritas do desassossego, tratam de diferentes temas: como sobreviver a um fato que parece que vai marcar e condicionar toda nossa existência e como sair fortalecido ou tentar, da desestruturação familiar, à medida que pouco a pouco vai sendo forjada nossa personalidade através do vivido. Tanto que poderíamos catalogar este livro como um grande romance de trama psicológica em que o adolescente Dell não para de amadurecer e de crescer através dos acontecimentos que se sucedem – e nós crescemos e amadurecemos com ele.

E, para armar a história, para que frutifiquem com sucesso todas as situações, o lugar eleito por Ford, como dissemos e como o título sugere, é o Canadá. E é o Canadá, com suas particularidades, e todas as paisagens, no todo, que aparecem aí e são também protagonistas indiscutíveis pela beleza incomensurável e pormenorizada com que aparecem descritas. O escritor confessa ter optado por este entorno árido pela sensação de liberdade e de tolerância que este país causa nele. Um lugar rude, ideal, além disso, para reencontrar-se com si mesmo, uma terra que ainda conserva algo hoje em dia de rural e de selvagem, onde tudo é possível e ainda pode dar-se a esperança, a regeneração, a crença num futuro melhor e às segundas oportunidades.

O estilo de Ford é sóbrio, impecável, elegante, frio e, ao mesmo tempo, nu, sem demasiados artifícios como as paisagens naturais que descreve, por exemplo, o desolado povoado de Great Falls em Montana ou Fort Royal já no Canadá. E emprega uma linguagem direta com ritmo mais moderado em sua primeira parte, mais ágil na segunda, e de novo mais pausada em sua última trama, o que nos convida à reflexão; é um intenso romance em que há um antes e depois do acontecimento crucial e decisivo, a suposição de um assalto a um barco conduzido pelos pais do protagonista. A maneira de escrever pausadamente nos deslumbra e nos surpreende – tudo de uma vez; talvez porque o próprio Ford antes tenha reconhecido neste contar da pausa e da serenidade a fala do disléxico e por isso fez com que o leitor sempre necessite de mais tempo para ler o que logo o fisga porque o fixa e o concentra em cada detalhe.  

O fato é que Richard Ford é um autor de referência, nos deixa impressionados com sua indiscutível maestria; quase não leu até aos dezoito anos pelo problema de dislexia que carregava. E seu destino parecia no princípio ser outro bem diferente do de ser escritor, já que, primeiro, ingressou na Universidade de Michigan para estudar administração hoteleira, depois em Saint Louis chegou a iniciar a carreira de direito que mais tarde abandonará e terminará realizando um mestrado em escrita criativa na Universidade da Califórnia em 1970. E atualmente é professor de humanidades na Universidade de Columbia. Uma trajetória arrítmica que demonstra que um escritor pode forjar-se quase do nada e chegar até o mais alto pódio da literatura.



Seu êxito como escritor começa com a conhecida trilogia dedicada à personagem Frank Bascombe, que inicia com o livro cronista esportivo (1986), considerado pelo Times como um dos maiores cem romances daquele ano e finalista do prêmio Faulkner; segue-se com Independência (1995), que obteve prêmios como o Pulitzer e novamente o Faulkner. A saga finda com Ação de Graças (2006). Enquanto Canadá (2012) é uma obra  que demorou para escrever – cerca de vinte anos – e com ela alcança seu ponto alto como romancista conforme atesta a diversidade de prêmios que ganhou com sua publicação. Outros romances são também destacáveis: A última oportunidade (1981), Incêndios (1990) e Francamente, Frank (2014). E é, além disso, a autoria dos vários livros de contos como Rock Springs (1987), Mulheres com homens (1997), Pecados sem conta (2002), Contos imprescindíveis (1998) e também do ensaio Flores nas frestas. Autobiografia e literatura (2012).

Ford é, sem dúvida, um escritor cuidadoso, imprime grande profundidade narrativa, originalidade e realismo em tudo o que narra. E o que gosta de falar é das dificuldades, como faz em Canadá; quando Dell parecia condenado por umas circunstâncias adversas que lhe arrancam do seio familiar e lhe empurram a levar uma vida difícil, de desenraizado, se sobrepõe e se reinventa. Um livro que nos fala então claramente da esperança, da fé em si mesmo e de nossa capacidade para lutar, adaptarmo-nos e sair quase sempre vitoriosos na luta.

As três partes de Canadá são bastante diferentes, não apenas pelo ritmo com são narradas: a primeira conta como era a vida da protagonista antes desse feito crucial e tudo referente ao roubo de seus pais; a segunda nos descreve a vida de Dell, o adolescente de quinze anos, quando chega ao Canadá e inicia aí uma nova vida; e na terceira e última aparecem já todas as conclusões acerca de sua vida – o Dell já maduro e reflexivo, que agora é professor de Língua e de Literatura inglesas.

As personagens estão perfeitamente caracterizadas e são muito peculiares, mesmo os que têm vidas diferentes são apaixonantes; estão no limite de tudo. Dell, o protagonista, ou sua irmã Berner ou o enigmático Arthur Relinger, que é a pessoa que será responsável por Dell por estranhas razões que só lendo a obra para conhecer pouco a pouco.

Um começo provocador, uma estrutura circular, já que o final é um retorno princípio para por um ponto final, são algumas das chaves deste impressionante romance que é do início ao fim uma proeza técnica e uma dessas poucas obras que deixam o leitor sem alento e que chegam para ficar, e logo ficamos de acordo que Ford é um, por que não dizer, dos melhores escritores estadunidenses atuais. 

* Este texto é uma tradução livre para Canadá, de Richard Ford, publicado inicialmente em Letralia.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Dez mulheres da literatura brasileira contemporânea

Onze livros para ler na estrada

Dostoiévski, um romântico desgarrado entre a revolução e Deus

Onze obras do teatro moderno e contemporâneo fundamentais a todo leitor

Baudelaire & Poe, Ltda.

O manuscrito em que Virginia Woolf anuncia o seu suicídio

Escritores narcisistas

A arquitetura da cidade como mediadora de leitura

Obras-primas perdidas e felizmente recuperadas

Os melhores de 2016: poesia