As dificuldades de editor

Por Pedro Fernandes

É sim a nova id de Um caderno para Saramago.


Isso daria um artigo - quem sabe dessas notas não saia um; também daria um muro de lamentações. Mas, não vou escrever nem uma coisa e nem outra nesta curta postagem. Vou apenas dizer do trabalho que é compor espaços virtuais.

Como alguns já sabem, organizo, desde junho de 2010 um espaço onde reúno meus materiais de pesquisa sobre a obra de José Saramago e outra leva de informações e notas que coleto na web de língua portuguesa.

Desde que foi colocado online, em setembro, o espaço passa por ajustes. Dia desses escrevi aqui sobre as novidades postadas no espaço e as reformulações feitas aí longo desses poucos meses de web. Pois bem, esta post já ficou obsoleta, porque andei, a partir das mudanças de imagens no corpo do espaço, fazendo, pela milésima vez, alterações na sua identidade visual.

Isso tudo são manias de perfeição e sobretudo encantamento com a possibilidade de manipulação dos espaços virtuais. Depois de vários toques e retoques, mudei aquilo que de mais sagrada se preservava incólume ao faz-e-refaz da cara do blog: a marca.

Isso tudo porque achei aquela com um efeito esmorecido, death, e queria algo mais up para o espaço, algo que me traduzisse mais leveza e movimento. O log de antes era aquelas cores preto-e-branco e uma imagem de José Saramago também em preto-e-branco, conforme podem ver no vídeo-teaser de apresentação da ideia. Pois bem, o fato é que refiz e reolhando agora a pouco página a página desse caderno virtual, muito me agrada essa nova estética; espero que agora se firme.


Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Água viva, de Clarice Lispector

Pablo Neruda: o que não dá mais para ocultar

Apontamentos sobre alguns textos curtos de Tolstói

Boletim Letras 360º #231

Quando Borges era Giorgie

Salinger, um grupo de psicopatas e os do MKUltra

A filha perdida, de Elena Ferrante

Gostamos de causar danos (com o grande romance estadunidense)

Jane Austen: casamento e dinheiro

A religiosidade clandestina de Hermann Hesse