Lembrar a obra poética de Diva Cunha


Por Pedro Fernandes


Demorou, mas demorou o tempo necessário. Julho de 2011 era o mês adequado para que viesse online a terceira edição do caderno-revista 7faces. Sabemos, entretanto, que o mês foi ocupado com a programação de outro lançamento: o da edição especial sobre e poesia de José Saramago. Esta edição especial é que seria lançada em junho para que em julho a terceira pudesse enfim aparecer. Não deu. As ideias minhas vão aparecendo umas sucessivas às outras, como metástase. Foi quando soube do lançamento da primeira edição da Cruviana que me veio interesse de firmar parceria com seu organizador e fazermos uma sessão física e conjunta de lançamentos. Quem nos acompanha viu que deu mais que certo. Vieram a lume duas edições literárias de fôlego. 

Impossibilitado de ocorrer lançamento em julho que seja estipulado, então, o mês seguinte para tal. Também não deu. Apesar dos trabalhos já irem um tanto quanto adiantados, agosto não nos daria o gosto de ver a terceira edição do caderno-revista pronta. Adiou-se para setembro. E com o adiamento o compromisso inadiável. Agora, de setembro não passa.

Pois bem, aqui estou para dizer que a terceira edição do caderno-revista 7faces está pronta. Vem com muitas novidades. Creio que o material está mais arrojado. Homenageia a poeta Diva Cunha em dois textos inéditos das professoras Ilane Ferreira e Conceição Flores. Ilane Ferreira é doutora em Educação e professora do Instituto Federal de Ciência e Tecnologia do Rio Grande do Norte (IFRN) e Conceição Flores é também doutora em educação e leciona no curso de Letras da Universidade Potiguar (UnP).

O trabalho de ambas as professores no campo literário é de notável louvor. Uma, publicou em 2008, "O romance da besta fubana": festa, utopia e revolução no interior do Nordeste; a outra, publicou em 2000, Do mito ao romance: uma leitura do Evangelho segundo Saramago, em 2006, As aventuras de Maria Teresa Margarida da Silva Orta em terras de Brasil e de Portugal e, agora, em 2009, publicou em conjunto com Zenóbia Collares e Constância Lima Duarte, o Dicionário de escritoras portuguesas: das origens à atualidade – obra que já é uma referência para ambos países (Brasil e Portugal) e a qual tive o prazer de resenhá-la, resenha, que diga-se, está no prelo para ser publicada em breve.

Soma-se a isso o talento poético de 14 poetas selecionados para esta edição. E digo: é a edição que mais recebeu contribuições e, logo, a que mais deu trabalho na definição dos nomes a serem publicados. E vem com um perfil mais que abrangente. Com trabalhos do Brasil, Portugal e Chile. O caderno-revista, conforme sabemos, comporta poetas de expressão portuguesa de várias partes do mundo.

Quero, desses nomes, destacar três em particular. Um é o poeta Márcio-André, carioca morando em Lisboa, que enviou seus três recortes inéditos da sua já extensa e conceituada bibliografia literária. Basta que se diga que o poeta conta hoje com tradução de sua obra em mais de sete idiomas diferentes e é um dos expoentes da literatura digital no Brasil. O outro é o poeta português João Negreiros, também um dos poetas que mais acumulam prêmios e que tem uma extensa produção no campo da poesia e do teatro, além do igual interesse pela arte digital. João disponibiliza na web verdadeiros momentos de êxtase poético ao recitar seus trabalhos. E o outro nome é o do poeta carioca Jorge Lucio de Campos que enviou três trabalhos também inéditos de dois livros seus, A véspera do rosto e Lição de alvura. Pode deixar que esses e outros particulares serão esmiuçadas ao longo de outras postagens no meu blogue pessoal, o Letras in.verso e re.verso.

E, por fim, dizer de dois trabalhos visuais que ilustram as páginas desta edição. E que fique também, já, em primeira mão, o meu registro de agradecimento. O artista plástico carioca Paulo Vieira que enviou cessão de um conjunto de desenhos e que fiz questão de ordená-los numa breve exposição a qual chamei Paulo Vieira, estudos. E o fotógrafo espanhol Chema Madoz que entra nas páginas dessa edição num diálogo mais que harmônico com a proposta do caderno-revista.

Portanto, não deixem de visualizar esta edição do caderno-revista 7faces que tem seu lançamento acordado para o próximo dia 30 de setembro no espaço em que fica hospedado a ideia, aqui.


Comentários

iara abreu disse…
Oi Pedro Fernandes. Muito bom o Caderno-revista 7faces. Material riquíssimo, tanto nos textos quando nas informações. Parabéns e obrigada por me divulgar.
Abs iara abreu
Mauro Andriole disse…
Olá Pedro,

Então as luzes do "Sertão" iluminam outra obra literária...ótimo!
Aguardo a oportunidade para vê-la e lê-la!Mande abraços para o autor por mim, e fique aqui com outro pra ti!

Postagens mais visitadas deste blog

Cinco livros para conhecer a obra de William Faulkner

Essa estranha instituição chamada literatura: uma conversa com Jacques Derrida

Os melhores diários de escritores

Lolita, amor e perversão

O conto da aia, o pesadelo de ser mulher numa teocracia

Os ventos (e outros contos), de Eudora Welty

A ignorância, de Milan Kundera

Há muitos Faulkner

Kazuo Ishiguro, Prêmio Nobel de Literatura 2017

Boletim Letras 360º #239