Boletim Letras 360º #99

Lewis Carroll, um pedófilo enrustido? A polêmica volta à tona depois de a BBC de Londres apresentar um documentário que revelaria novos indícios da grande questão em torno do autor de Alice no país das maravilhas. Mais detalhes ao longo deste Boletim. Foto: ABC


Aqui chegamos a mais um fim de uma semana intensa. 2015 parece que traz consigo tantos grandes desafios quanto 2014; janeiro já tem demonstrado, em parte, o que pode estar reservado a nós. Muitas leituras. Também queremos muitos leitores. Bons leitores. E escritas. Escritas de excelência. Por isso, estamos trabalhando nas redes sociais uma campanha para que os bons leitores que produzem escritas de excelência nos envie seus textos, antes de ir bater à porta de qualquer outro blog ou portal literário. Queremos vê-los figurar entre as principais matérias editadas no Letras. Queremos ser com os leitores protagonistas de boas histórias. E, cf. dissemos no Boletim Letras 360º da semana anterior, não é nada difícil enviar seus trabalhos ao Letras. Basta apenas ler com atenção e seguir nossas diretrizes.

Segunda-feira, 26/01

>>> França: Outra polêmica no universo da literatura

Kamel Daoud recebeu condenação de morte de diversos grupos fundamentalistas – um Iman Salafista (grupo ultraconservador) chegou ao extremo de pedir sua execução pública numa página no Facebook, no dia 16 de dezembro, logo bloqueada. O escritor encontra-se agora exilado em sua própria casa, repetindo em parte o que aconteceu com Salman Rushdie em 1989 depois do lançamento de Versos satânicos. Tudo por causa do romance Mersault, Contre-enquête, publicado na Argélia em 2013 (e despercebido) e depois, em 2014, na França, onde recebeu críticas entusiasmadas e por pouco não venceu o Goncourt, principal prêmio do país. O livro, que é uma espécie de continuação de O estrangeiro de Albert Camus está para ser lançado em 13 países. Nele, Daoud imaginou como seria a história do árabe sem nome assassinado pelo anti-herói Mersault, de Camus e coloca como narrador o irmão da vítima.

>>> Brasil: Há anos fora de catálogo, é reeditado A imortalidade, de Milan Kundera 

A partir do gesto que uma mulher faz a seu professor de natação quando sai da piscina, a personagem Agnes surge na mente de um autor chamado Kundera. Como a Emma de Flaubert ou a Anna de Tolstói, a Agnes de Kundera se torna objeto de fascínio e de uma busca insondável. Ao imaginar o cotidiano dessa personagem, o narrador-autor dá corpo a um romance em sete partes, que intercala as histórias de Agnes, seu marido Paul e sua irmã Laura com uma narrativa retirada da história da literatura: a relação de Goethe e Bettina von Arnim. Com seus personagens reais e inventados, Kundera reflete sobre a vida moderna, a sociedade e a cultura ocidentais, o culto da sentimentalidade, a diferença entre essência individual e imagem pública individual, os conflitos entre realidade e aparência, as variedades de amor e de desejo sexual, a importância da fama e da celebridade, e a típica busca humana pela imortalidade.

Terça-feira, 27/01

>>> Brasil: Divulgado o lançamento da edição 10 do caderno-revista 7faces

A data em que o novo número entra em circulação é dia 06 de fevereiro. Segundo anúncio publicado esta semana no blog do periódico, a edição 10 rende homenagens a um dos nomes mais significativos da cena poética portuguesa: Sophia de Mello Breyner Andresen. Sobre a poeta são editados três ensaios de pesquisadores da sua obra. Ainda segundo o anúncio, sustentam a edição os nomes e a poesia de Alexandre Guarnieri, Bianca Coggiola, Rodrigo Della Santina, Stefano Calgaro, Suzy Freitas, Victor Prado, Guilherme Dearo, Nathan Matos Magalhães, Douglas Siqueira, José Carlos Brandão, José de Paiva Rebouças e Ricardo Escudeiro. Assinalando os dois anos da publicação da edição especial em homenagem a José Saramago o caderno-revista publica um material inédito de Rui Santos sobre o escritor português.

>>> Inglaterra: Lewis Carroll, um pedófilo reprimido? 

A questão volta a pauta num documentário inédito sobre o autor de Alice no país das maravilhas que vai ao ar no dia 31 de janeiro na BBC 2, ocasião que assinala a passagem dos 150 anos do referido livro de Carroll. Em cena personalidades como Philip Pullman e Will Self e elementos da família da verdadeira Alice trazem a tona a relação do escritor e matemático com meninas. O material a ser exibido inclui fotografias que constam em arquivos esquecidos e que a BBC descreve como contendo conteúdos reveladores das verdadeiras tendências sexuais de Carroll - entre os registros estaria uma imagem da irmã de Alice nua. Mesmo atribuída a Lorina Liddell (a irmã mais velha de Alice) a foto que pertence a um museu francês traz uma inscrição na moldura atribuída a Lewis Carroll. Sensacionalismos à parte, a questão não é de um todo nova.

>>> Portugal: Fernando Pessoa raro

As flores do mal de Fernando Pessoa – absinto, ópio, tabaco e outros fumos teve uma tiragem de apenas 1.500 exemplares numerados e já esgotados. Mas, o que tem de especial este livro? O design: a capa e a contracapa são feitas de uma única folha de madeira; a lombada flexível, só possível graças a uma avançada tecnologia laser; os textos de Pessoa e seus heterônimos são acompanhados por fotografias de Pedro Norton, criadas expressamente para este projeto. Nunca antes tinha sido feito em Portugal um livro com essas características e a edição, feita em 2014, já tornou-se raridade. Esta foi a terceira vez que a editora Guerra & Paz editou textos de Fernando Pessoa: estreou com Tabacaria, livro com cinco versões do poema em diferentes línguas; depois, Livro de viagem, à semelhança do livro de madeira, uma antologia de poemas. Para ficarem com o gosto, veja um booktrailer que apresenta o livro. Depois dos 1500 exemplares em grande formato (24cmx24cm) nunca mais a edição será reimpressa.

Quarta-feira, 28/01

>>> Brasil: Caio Fernando Abreu reeditado

Em 2014, divulgamos numa das entradas aqui em nossa página no Facebook o trabalho de reedição para a obra de Caio Fernando Abreu; na ocasião lembrávamos sobre títulos como Morangos mofados que ganha nova roupagem pela Editora Nova Fronteira. Pois bem, já para fevereiro, chega a reedição de Teatro completo.

>>> Portugal: Chico Buarque: emprestar a caligrafia para a capa de uma obra de José Saramago

Desde 2014 (cf. dissemos aqui) a obra de José Saramago - depois de ter mudado de casa editorial em Portugal (era da Caminho e agora é da Porto) - passa por um tratamento de reedição. O projeto de então é que as capas sejam assinadas por importantes nomes da cultura de língua portuguesa: Mia Couto, Eduardo Lourenço, Lídia Jorge, entre outros nomes já eternizaram sua caligrafia. Agora, quando a editora apresenta novos títulos dessa empreitada, chega-nos a notícia de que Chico Buarque é um dos nomes a integrar o projeto. O multiartista assina a capa do importante Ensaio sobre a cegueira.

Quinta-feira, 29/01

>>> Brasil: Reedição da obra de Carlos Heitor Cony

Até agora, a Editora Nova Fronteira preparou novas edições de oito de títulos do escritor: A volta por cima, Luciana Saudade, Quinze anos, Vera Verão e Rosa vegetal de sangue, designados como títulos infanto-juvenis; e três para adultos: Quase memória, O harém das bananeiras e O ato e o fato. O projeto deve avançar por 2015 com atenção para títulos que há muito estão fora de catálogo.

>>> Brasil: Sobre a vida de Michelangelo

Interessados em biografia, estejam atentos: desde a publicação, em 2013, de Michelangelo: his epic life, que a Cosac Naify prepara uma tradução do que é uma nova biografia do criador da Pietà. Escrita pelo crítico de arte Martin Gayford, a edição já ricamente ilustrada sairá no Brasil ainda mais imagens. A publicação está prevista para o mês de outubro. A tradução é de Donaldson M. Garschagen e Renata Guerra.

>>> Brasil: Livros que se reproduzem

Não é de hoje a estratégia de dar continuidade a série de livros. Agora, a que recebe tratamento para ganhar novo fôlego é o projeto de Stieg Larsson, "Millenium". Composta por Os homens que não amavam as mulheres, A menina que brincava com fogo e A rainha do castelo de ar, David Lagercrantz é quem se aventura a ampliar o que seria uma trilogia. That which does not kill (ainda sem título em português) será publicado em agosto pela Companhia das Letras. No original, a obra com 500 páginas circula desde 2014 e tem ganhado o topo das listas. Quando morreu, vítima de um infarto aos 50 anos em 2004, Larsson tinha planos de escrever pelo menos mais sete livros.

>>> Austrália: Morreu Colleen McCoullough

Pássaros feridos, seu maior sucesso literário, deu origem a uma das séries mais populares da TV americana. Seu romance de estreia, Tim, foi adaptado para o cinema e virou o filme Anjos de aço, de Michael Pate, com Mel Gibson em um dos papéis principais. No Brasil, ela é publicada pela Bertrand Brasil, que lançou 15 de seus livros, incluindo Pássaros feridos, dois volumes de uma série policial, cujo protagonista é o detetive Carmine Delmonico, e cinco volumes da série "Os Senhores de Roma". O sexto, Cavalo de outubro, é o próximo lançamento da editora. Colleen era médica e lecionava Neurologia na Universidade de Yale na década de 70, até começar a escrever e abandonar a cátedra para viver de literatura, na ilha de Norfolk. 

Sexta-feira, 30/01

>>> Portugal: Todos os prêmios para Lídia Jorge

A escritora portuguesa é a vencedora do Prêmio Literário Vergílio Ferreira 2015, atribuído pela Universidade de Évora e um dos mais importantes no seu país natal. O prêmio existe de 1997, destina-se a distinguir, anualmente, o conjunto da obra literária de um autor de língua portuguesa relevante no âmbito da narrativa e/ou ensaio e já foi para as mãos de figuras como Mia Couto, Almeida Faria, Eduardo Lourenço, Agustina Bessa-Luís, Vasco Graça Moura, Hélia Correia, entre outros. Já em novembro de 2014, Lídia Jorge tinha sido distinguida, por unanimidade, com o Prêmio Luso-Espanhol de Arte e Cultura 2014, atribuído pelo Ministério da Cultura de Espanha e pela Secretaria de Estado da Cultura de Portugal. Até agora, a escritora já recebeu os prêmios Dom Dinis, PEN Clube, Máxima de Literatura, Bordallo de Literatura da Casa da Imprensa, e também o Grande Prêmio de Romance e Novela da Associação Portuguesa de Escritores (APE) e os prêmios Jean Monet de Literatura Europeia, Charles Bisset e Albatros, da Fundação Günter Grass. Em 2013, Lídia Jorge foi considerada, pela revista francesa Le Magazine Littéraire, uma das "10 grandes vozes da literatura europeia".

>>> Brasil: Dois Irmãos, de Milton Hatoum em quadrinhos

2015 desponta para ser o ano do escritor amazonense. Na lista de novidades sobre sua obra, além de um novo romance, adaptações para o cinema e para a TV (cf. já noticiamos aqui), um de seus romances mais quistos ganha versão em quadrinhos. O trabalho está em fase final e é conduzido por Fábio Moon e Gabriel Bá, considerados os melhores da HQ na atualidade. A adaptação também será lançada na França e na Itália.

>>> Brasil: Obra de José J. Veiga volta às livrarias a partir de fevereiro

Não está longe; é já na próxima semana. No ano de centenário do nascimento do escritor goiano, a Companhia das Letras, nova casa do autor, passa a editar sua obra, considerada uma das mais importantes do século 20 no Brasil. Para já, vem os dois primeiros títulos: Os cavalinhos de Platiplanto (1959) e A hora dos ruminantes (1966).

..........................
Sigam o Letras no FacebookTwitterTumblrGoogle+Instagram 


Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Uma farmácia literária que pode curar quase tudo

Inferno provisório, de Luiz Ruffato

L’amour, de Michael Haneke

O Bovarismo como pedra de toque na obra de Lima Barreto

Rupi Kaur: poeta reconcilia o passado das mulheres indianas e transforma sua dor em tema universal

A religiosidade clandestina de Hermann Hesse

Como alguém se transforma num escritor? Dez notas sobre o primeiro livro

Sartre: a autenticidade e a violência

Como enfrentar Ulysses

Entre a interdição e a plenitude: treze livros para o Orgulho Gay