Boletim Letras 360º #99

Lewis Carroll, um pedófilo enrustido? A polêmica volta à tona depois de a BBC de Londres apresentar um documentário que revelaria novos indícios da grande questão em torno do autor de Alice no país das maravilhas. Mais detalhes ao longo deste Boletim. Foto: ABC


Aqui chegamos a mais um fim de uma semana intensa. 2015 parece que traz consigo tantos grandes desafios quanto 2014; janeiro já tem demonstrado, em parte, o que pode estar reservado a nós. Muitas leituras. Também queremos muitos leitores. Bons leitores. E escritas. Escritas de excelência. Por isso, estamos trabalhando nas redes sociais uma campanha para que os bons leitores que produzem escritas de excelência nos envie seus textos, antes de ir bater à porta de qualquer outro blog ou portal literário. Queremos vê-los figurar entre as principais matérias editadas no Letras. Queremos ser com os leitores protagonistas de boas histórias. E, cf. dissemos no Boletim Letras 360º da semana anterior, não é nada difícil enviar seus trabalhos ao Letras. Basta apenas ler com atenção e seguir nossas diretrizes.

Segunda-feira, 26/01

>>> França: Outra polêmica no universo da literatura

Kamel Daoud recebeu condenação de morte de diversos grupos fundamentalistas – um Iman Salafista (grupo ultraconservador) chegou ao extremo de pedir sua execução pública numa página no Facebook, no dia 16 de dezembro, logo bloqueada. O escritor encontra-se agora exilado em sua própria casa, repetindo em parte o que aconteceu com Salman Rushdie em 1989 depois do lançamento de Versos satânicos. Tudo por causa do romance Mersault, Contre-enquête, publicado na Argélia em 2013 (e despercebido) e depois, em 2014, na França, onde recebeu críticas entusiasmadas e por pouco não venceu o Goncourt, principal prêmio do país. O livro, que é uma espécie de continuação de O estrangeiro de Albert Camus está para ser lançado em 13 países. Nele, Daoud imaginou como seria a história do árabe sem nome assassinado pelo anti-herói Mersault, de Camus e coloca como narrador o irmão da vítima.

>>> Brasil: Há anos fora de catálogo, é reeditado A imortalidade, de Milan Kundera 

A partir do gesto que uma mulher faz a seu professor de natação quando sai da piscina, a personagem Agnes surge na mente de um autor chamado Kundera. Como a Emma de Flaubert ou a Anna de Tolstói, a Agnes de Kundera se torna objeto de fascínio e de uma busca insondável. Ao imaginar o cotidiano dessa personagem, o narrador-autor dá corpo a um romance em sete partes, que intercala as histórias de Agnes, seu marido Paul e sua irmã Laura com uma narrativa retirada da história da literatura: a relação de Goethe e Bettina von Arnim. Com seus personagens reais e inventados, Kundera reflete sobre a vida moderna, a sociedade e a cultura ocidentais, o culto da sentimentalidade, a diferença entre essência individual e imagem pública individual, os conflitos entre realidade e aparência, as variedades de amor e de desejo sexual, a importância da fama e da celebridade, e a típica busca humana pela imortalidade.

Terça-feira, 27/01

>>> Brasil: Divulgado o lançamento da edição 10 do caderno-revista 7faces

A data em que o novo número entra em circulação é dia 06 de fevereiro. Segundo anúncio publicado esta semana no blog do periódico, a edição 10 rende homenagens a um dos nomes mais significativos da cena poética portuguesa: Sophia de Mello Breyner Andresen. Sobre a poeta são editados três ensaios de pesquisadores da sua obra. Ainda segundo o anúncio, sustentam a edição os nomes e a poesia de Alexandre Guarnieri, Bianca Coggiola, Rodrigo Della Santina, Stefano Calgaro, Suzy Freitas, Victor Prado, Guilherme Dearo, Nathan Matos Magalhães, Douglas Siqueira, José Carlos Brandão, José de Paiva Rebouças e Ricardo Escudeiro. Assinalando os dois anos da publicação da edição especial em homenagem a José Saramago o caderno-revista publica um material inédito de Rui Santos sobre o escritor português.

>>> Inglaterra: Lewis Carroll, um pedófilo reprimido? 

A questão volta a pauta num documentário inédito sobre o autor de Alice no país das maravilhas que vai ao ar no dia 31 de janeiro na BBC 2, ocasião que assinala a passagem dos 150 anos do referido livro de Carroll. Em cena personalidades como Philip Pullman e Will Self e elementos da família da verdadeira Alice trazem a tona a relação do escritor e matemático com meninas. O material a ser exibido inclui fotografias que constam em arquivos esquecidos e que a BBC descreve como contendo conteúdos reveladores das verdadeiras tendências sexuais de Carroll - entre os registros estaria uma imagem da irmã de Alice nua. Mesmo atribuída a Lorina Liddell (a irmã mais velha de Alice) a foto que pertence a um museu francês traz uma inscrição na moldura atribuída a Lewis Carroll. Sensacionalismos à parte, a questão não é de um todo nova.

>>> Portugal: Fernando Pessoa raro

As flores do mal de Fernando Pessoa – absinto, ópio, tabaco e outros fumos teve uma tiragem de apenas 1.500 exemplares numerados e já esgotados. Mas, o que tem de especial este livro? O design: a capa e a contracapa são feitas de uma única folha de madeira; a lombada flexível, só possível graças a uma avançada tecnologia laser; os textos de Pessoa e seus heterônimos são acompanhados por fotografias de Pedro Norton, criadas expressamente para este projeto. Nunca antes tinha sido feito em Portugal um livro com essas características e a edição, feita em 2014, já tornou-se raridade. Esta foi a terceira vez que a editora Guerra & Paz editou textos de Fernando Pessoa: estreou com Tabacaria, livro com cinco versões do poema em diferentes línguas; depois, Livro de viagem, à semelhança do livro de madeira, uma antologia de poemas. Para ficarem com o gosto, veja um booktrailer que apresenta o livro. Depois dos 1500 exemplares em grande formato (24cmx24cm) nunca mais a edição será reimpressa.

Quarta-feira, 28/01

>>> Brasil: Caio Fernando Abreu reeditado

Em 2014, divulgamos numa das entradas aqui em nossa página no Facebook o trabalho de reedição para a obra de Caio Fernando Abreu; na ocasião lembrávamos sobre títulos como Morangos mofados que ganha nova roupagem pela Editora Nova Fronteira. Pois bem, já para fevereiro, chega a reedição de Teatro completo.

>>> Portugal: Chico Buarque: emprestar a caligrafia para a capa de uma obra de José Saramago

Desde 2014 (cf. dissemos aqui) a obra de José Saramago - depois de ter mudado de casa editorial em Portugal (era da Caminho e agora é da Porto) - passa por um tratamento de reedição. O projeto de então é que as capas sejam assinadas por importantes nomes da cultura de língua portuguesa: Mia Couto, Eduardo Lourenço, Lídia Jorge, entre outros nomes já eternizaram sua caligrafia. Agora, quando a editora apresenta novos títulos dessa empreitada, chega-nos a notícia de que Chico Buarque é um dos nomes a integrar o projeto. O multiartista assina a capa do importante Ensaio sobre a cegueira.

Quinta-feira, 29/01

>>> Brasil: Reedição da obra de Carlos Heitor Cony

Até agora, a Editora Nova Fronteira preparou novas edições de oito de títulos do escritor: A volta por cima, Luciana Saudade, Quinze anos, Vera Verão e Rosa vegetal de sangue, designados como títulos infanto-juvenis; e três para adultos: Quase memória, O harém das bananeiras e O ato e o fato. O projeto deve avançar por 2015 com atenção para títulos que há muito estão fora de catálogo.

>>> Brasil: Sobre a vida de Michelangelo

Interessados em biografia, estejam atentos: desde a publicação, em 2013, de Michelangelo: his epic life, que a Cosac Naify prepara uma tradução do que é uma nova biografia do criador da Pietà. Escrita pelo crítico de arte Martin Gayford, a edição já ricamente ilustrada sairá no Brasil ainda mais imagens. A publicação está prevista para o mês de outubro. A tradução é de Donaldson M. Garschagen e Renata Guerra.

>>> Brasil: Livros que se reproduzem

Não é de hoje a estratégia de dar continuidade a série de livros. Agora, a que recebe tratamento para ganhar novo fôlego é o projeto de Stieg Larsson, "Millenium". Composta por Os homens que não amavam as mulheres, A menina que brincava com fogo e A rainha do castelo de ar, David Lagercrantz é quem se aventura a ampliar o que seria uma trilogia. That which does not kill (ainda sem título em português) será publicado em agosto pela Companhia das Letras. No original, a obra com 500 páginas circula desde 2014 e tem ganhado o topo das listas. Quando morreu, vítima de um infarto aos 50 anos em 2004, Larsson tinha planos de escrever pelo menos mais sete livros.

>>> Austrália: Morreu Colleen McCoullough

Pássaros feridos, seu maior sucesso literário, deu origem a uma das séries mais populares da TV americana. Seu romance de estreia, Tim, foi adaptado para o cinema e virou o filme Anjos de aço, de Michael Pate, com Mel Gibson em um dos papéis principais. No Brasil, ela é publicada pela Bertrand Brasil, que lançou 15 de seus livros, incluindo Pássaros feridos, dois volumes de uma série policial, cujo protagonista é o detetive Carmine Delmonico, e cinco volumes da série "Os Senhores de Roma". O sexto, Cavalo de outubro, é o próximo lançamento da editora. Colleen era médica e lecionava Neurologia na Universidade de Yale na década de 70, até começar a escrever e abandonar a cátedra para viver de literatura, na ilha de Norfolk. 

Sexta-feira, 30/01

>>> Portugal: Todos os prêmios para Lídia Jorge

A escritora portuguesa é a vencedora do Prêmio Literário Vergílio Ferreira 2015, atribuído pela Universidade de Évora e um dos mais importantes no seu país natal. O prêmio existe de 1997, destina-se a distinguir, anualmente, o conjunto da obra literária de um autor de língua portuguesa relevante no âmbito da narrativa e/ou ensaio e já foi para as mãos de figuras como Mia Couto, Almeida Faria, Eduardo Lourenço, Agustina Bessa-Luís, Vasco Graça Moura, Hélia Correia, entre outros. Já em novembro de 2014, Lídia Jorge tinha sido distinguida, por unanimidade, com o Prêmio Luso-Espanhol de Arte e Cultura 2014, atribuído pelo Ministério da Cultura de Espanha e pela Secretaria de Estado da Cultura de Portugal. Até agora, a escritora já recebeu os prêmios Dom Dinis, PEN Clube, Máxima de Literatura, Bordallo de Literatura da Casa da Imprensa, e também o Grande Prêmio de Romance e Novela da Associação Portuguesa de Escritores (APE) e os prêmios Jean Monet de Literatura Europeia, Charles Bisset e Albatros, da Fundação Günter Grass. Em 2013, Lídia Jorge foi considerada, pela revista francesa Le Magazine Littéraire, uma das "10 grandes vozes da literatura europeia".

>>> Brasil: Dois Irmãos, de Milton Hatoum em quadrinhos

2015 desponta para ser o ano do escritor amazonense. Na lista de novidades sobre sua obra, além de um novo romance, adaptações para o cinema e para a TV (cf. já noticiamos aqui), um de seus romances mais quistos ganha versão em quadrinhos. O trabalho está em fase final e é conduzido por Fábio Moon e Gabriel Bá, considerados os melhores da HQ na atualidade. A adaptação também será lançada na França e na Itália.

>>> Brasil: Obra de José J. Veiga volta às livrarias a partir de fevereiro

Não está longe; é já na próxima semana. No ano de centenário do nascimento do escritor goiano, a Companhia das Letras, nova casa do autor, passa a editar sua obra, considerada uma das mais importantes do século 20 no Brasil. Para já, vem os dois primeiros títulos: Os cavalinhos de Platiplanto (1959) e A hora dos ruminantes (1966).

..........................
Sigam o Letras no FacebookTwitterTumblrGoogle+Instagram 


Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Alguns dos melhores começos de romances

Uma entrevista inédita com Liev Tolstói

Água viva, de Clarice Lispector

Potnia, de Leonardo Chioda

Avenida Niévski, de Nikolai Gógol

A lista de leituras de Liev Tolstói

De Mário Peixoto, é preciso virar a página

A ignorância, de Milan Kundera

O romance perdido de Sylvia Plath

Boletim Letras 360º #236